Monday, August 31, 2009

Das graínhas e das pevides

Eu e a Carolina Patrocínio temos a melhor das relações possíveis: Ela não faz puto de idéia de que eu existo (apesar de já me ter cruzado com ela no Meco) e eu mudo de canal de cada vez que aparece a cara dela na MINHA televisão. É justo. Ela é encefálicamente monoplégica, por mor daquele neurónio deficiente, resquício singular de um bando que desertou há muito para parte incerta, e eu não tenho pachorra para bibelots. E é claro que a rapariga não é inútil de todo, atingiu já o estatuto de mau exemplo - e a prova provada disso é que já lhe recomendaram que não abrisse a boca para não espantar (ainda mais) o eleitorado.

Friday, August 28, 2009

I do

Always like
Dirty Things and
Angry Smiles and
Lovely Faces
Unspoken Words and
Friendly People

Hurting

Like frozen bullets


(Gen. X, 1999)

Espírito de Sexta-Feira:

Toca o telefone. Atendo. Do outro lado uma voz ofegante de alguém que parece estar com duas arritmias, um AVC, três ou quatro enfartes do miocárdio e uma paragem digestiva:

-"Estamossemsistemaninguémconseguetrabaharaquievocêstêmquefazeralgumacoisasenãovamosterproblemasblábláblábláblábláblá!!!"

Pá. Hakuna Matata.

Have a nice weekend.



Once upon a midnight dreary, while I pondered weak and weary,
Over many a quaint and curious volume of forgotten lore,
While I nodded, nearly napping, suddenly there came a tapping,
As of some one gently rapping, rapping at my chamber door.
`'Tis some visitor,' I muttered, `tapping at my chamber door -
Only this, and nothing more.'

Ah, distinctly I remember it was in the bleak December,
And each separate dying ember wrought its ghost upon the floor.
Eagerly I wished the morrow; - vainly I had sought to borrow
From my books surcease of sorrow - sorrow for the lost Lenore -
For the rare and radiant maiden whom the angels named Lenore -
Nameless here for evermore.

And the silken sad uncertain rustling of each purple curtain
Thrilled me - filled me with fantastic terrors never felt before;
So that now, to still the beating of my heart, I stood repeating
`'Tis some visitor entreating entrance at my chamber door -
Some late visitor entreating entrance at my chamber door; -
This it is, and nothing more,'

Presently my soul grew stronger; hesitating then no longer,
`Sir,' said I, `or Madam, truly your forgiveness I implore;
But the fact is I was napping, and so gently you came rapping,
And so faintly you came tapping, tapping at my chamber door,
That I scarce was sure I heard you' - here I opened wide the door; -
Darkness there, and nothing more.

Deep into that darkness peering, long I stood there wondering, fearing,
Doubting, dreaming dreams no mortal ever dared to dream before
But the silence was unbroken, and the darkness gave no token,
And the only word there spoken was the whispered word, `Lenore!'
This I whispered, and an echo murmured back the word, `Lenore!'
Merely this and nothing more.

Back into the chamber turning, all my soul within me burning,
Soon again I heard a tapping somewhat louder than before.
`Surely,' said I, `surely that is something at my window lattice;
Let me see then, what thereat is, and this mystery explore -
Let my heart be still a moment and this mystery explore; -
'Tis the wind and nothing more!'

Open here I flung the shutter, when, with many a flirt and flutter,
In there stepped a stately raven of the saintly days of yore.
Not the least obeisance made he; not a minute stopped or stayed he;
But, with mien of lord or lady, perched above my chamber door -
Perched upon a bust of Pallas just above my chamber door -
Perched, and sat, and nothing more.

Then this ebony bird beguiling my sad fancy into smiling,
By the grave and stern decorum of the countenance it wore,
`Though thy crest be shorn and shaven, thou,' I said, `art sure no craven.
Ghastly grim and ancient raven wandering from the nightly shore -
Tell me what thy lordly name is on the Night's Plutonian shore!'
Quoth the raven, `Nevermore.'

Much I marvelled this ungainly fowl to hear discourse so plainly,
Though its answer little meaning - little relevancy bore;
For we cannot help agreeing that no living human being
Ever yet was blessed with seeing bird above his chamber door -
Bird or beast above the sculptured bust above his chamber door,
With such name as `Nevermore.'

But the raven, sitting lonely on the placid bust, spoke only,
That one word, as if his soul in that one word he did outpour.
Nothing further then he uttered - not a feather then he fluttered -
Till I scarcely more than muttered `Other friends have flown before -
On the morrow he will leave me, as my hopes have flown before.'
Then the bird said, `Nevermore.'

Startled at the stillness broken by reply so aptly spoken,
`Doubtless,' said I, `what it utters is its only stock and store,
Caught from some unhappy master whom unmerciful disaster
Followed fast and followed faster till his songs one burden bore -
Till the dirges of his hope that melancholy burden bore
Of "Never-nevermore."'

But the raven still beguiling all my sad soul into smiling,
Straight I wheeled a cushioned seat in front of bird and bust and door;
Then, upon the velvet sinking, I betook myself to linking
Fancy unto fancy, thinking what this ominous bird of yore -
What this grim, ungainly, ghastly, gaunt, and ominous bird of yore
Meant in croaking `Nevermore.'

This I sat engaged in guessing, but no syllable expressing
To the fowl whose fiery eyes now burned into my bosom's core;
This and more I sat divining, with my head at ease reclining
On the cushion's velvet lining that the lamp-light gloated o'er,
But whose velvet violet lining with the lamp-light gloating o'er,
She shall press, ah, nevermore!

Then, methought, the air grew denser, perfumed from an unseen censer
Swung by Seraphim whose foot-falls tinkled on the tufted floor.
`Wretch,' I cried, `thy God hath lent thee - by these angels he has sent thee
Respite - respite and nepenthe from thy memories of Lenore!
Quaff, oh quaff this kind nepenthe, and forget this lost Lenore!'
Quoth the raven, `Nevermore.'

`Prophet!' said I, `thing of evil! - prophet still, if bird or devil! -
Whether tempter sent, or whether tempest tossed thee here ashore,
Desolate yet all undaunted, on this desert land enchanted -
On this home by horror haunted - tell me truly, I implore -
Is there - is there balm in Gilead? - tell me - tell me, I implore!'
Quoth the raven, `Nevermore.'

`Prophet!' said I, `thing of evil! - prophet still, if bird or devil!
By that Heaven that bends above us - by that God we both adore -
Tell this soul with sorrow laden if, within the distant Aidenn,
It shall clasp a sainted maiden whom the angels named Lenore -
Clasp a rare and radiant maiden, whom the angels named Lenore?'
Quoth the raven, `Nevermore.'

`Be that word our sign of parting, bird or fiend!' I shrieked upstarting -
`Get thee back into the tempest and the Night's Plutonian shore!
Leave no black plume as a token of that lie thy soul hath spoken!
Leave my loneliness unbroken! - quit the bust above my door!
Take thy beak from out my heart, and take thy form from off my door!'
Quoth the raven, `Nevermore.'

And the raven, never flitting, still is sitting, still is sitting
On the pallid bust of Pallas just above my chamber door;
And his eyes have all the seeming of a demon's that is dreaming,
And the lamp-light o'er him streaming throws his shadow on the floor;
And my soul from out that shadow that lies floating on the floor
Shall be lifted - nevermore!

Piadola matutina:

Sexta-feira, manhã cedo, inda antes do cafézinho da praxe. A cena passou-se comigo e com um "bando de transeuntes incautos e ainda adormecidos" de ora avante designados BTIAA, todos colegas de trabalho que me adoram e veneram (e se pudessem dinamitavam-me a cama durante o sono de beleza que faço todas as noites).

Eu: -"Vou tirar dois dias de férias, amanhã e depois!"
BTIAA: -"Só dois dias? e vais onde?"
Eu:- "Vou de fim-de-semana."
BTIAA: (ouve-se o som dos melões a rebolar pelo pavimento).

Thursday, August 27, 2009

Untitled.

Viveu de uma maneira que poderíamos chamar de simples, muito sua. Preocupado com as suas coisas, com coisas que eram importantes. Veio de longe, daquela distância feita de realidades diferentes. Trabalhador, fez-se por mérito e por si foi construindo a sua vida. Tomava conta de coisas simples que tirava da terra. Tinha sempre uma palavra simpática, um cumprimento respeitoso. Era uma daquelas pessoas que quando estava, estava, dava-se pela presença mesmo sendo algo reservado ao sabor da ocasião. Trabalhava aqui perto, perto o suficiente para nos cruzarmos quase todos os dias. Faleceu esta madrugada. Cancro. Soube-o de manhã cedo, e todo o dia a partir daí me pareceu fora da realidade. Trouxe-me memórias de perdas demasiado próximas e ainda demasiado dolorosas.
Mais uma cara que não voltarei a ver. Mais um “bom dia” ou um “boa tarde” cordial que vou deixar de dar, que vou deixar de receber, sempre seguidos de conversa de ocasião e de um sorriso simpático.
Por vezes um murro no estômago relembra-me que a minha vida se enche e ilumina com estas pequenas coisas simples que me fazem sentir bem todos os dias. Passe o lugar comum, é mais uma estrela que se acende no céu. Vou guardá-la ao lado de umas quantas que um dia me alegraram os dias.

Funk Soul Brother

...

Tonight



Time is never time at all
You can never ever leave without leaving a piece of youth
And our lives are forever changed
We will never be the same
The more you change the less you feel

Believe, believe in me, believe
Believe that life can change
That youre not stuck in vain
Were not the same, were different tonight
Tonight, so bright
Tonight

And you know you're never sure
But you're sure you could be right
If you held yourself up to the light
And the embers never fade in your city by the lake
The place where you were born

Believe, believe in me, believe
Believe in the resolute urgency of now
And if you believe there's not a chance tonight
Tonight, so bright
Tonight

Well crucify the insincere tonight
Well make things right, well feel it all tonight
Well find a way to offer up the night tonight
The indescribable moments of your life tonight
The impossible is possible tonight
Believe in me as I believe in you, tonight

Wednesday, August 26, 2009

Pensamentos





Why does my heart

Why does my heart
Feel so bad?
Why does my soul
Feel so bad?

These opened doors...


The small Hours



Look hard at the darkness

And you will see
Just call my name and I’ll be there.

Pensamento da tarde:

A governação do País deveria de algum modo poder ser separada da entidade "Estado". Porque o Estado somos nós. A malta que paga. Por essas e por outras é que cada vez gosto mais do Bronx. Lá, de vez em quando morre um criminoso. Cá candidatam-se ou recandidatam-se a um qualquer cargo que lhes vai garantindo uma espécie de imunidade.

Alergias

Foi-me dito por pessoa idónea na qual deposito a maior confiança que o primo por afinidade de um cunhado de um político muito conhecido cá na praça é como um carro sem bateria, ou seja, "pega de empurrão". Pela rectaguarda. É a locomotiva do "combóiozinho", pronto. Como a dita pessoa idónea que me transmitiu tão valiosa informação não quis ser identificada vão ter que aceitar a coisa assim mesmo, vinda de fonte anónima.

O que interessa reter daqui:
a) a informação é relevante? Não. Quem leva no que é seu não merece castigo, parece-me, incluíndo na vastissima lista de possibilidades o cú (rabo, bujão, anilha, etc etc etc - o que lhe queiram chamar);
b) a fonte é segura? Eu posso dizer que sim, claro. Pode nem haver "fonte" nenhuma, posso estar a inventar uma grandessíssima patranha (que é o caso). Não há como confirmá-lo, apenas se pode fazer fé no que eu digo - o que é bem pouco nos dias que correm;
c) eu sou um transmissor de informação fidedigno? Pois claro que sim, digo eu, mas para isso e neste caso em concreto há-que conhecer o que eu sou, quem eu sou e o que me move em relação a este tipo de "informação". Ah, e já agora o móbil da minha fonte. Pois claro, como é anónima...

Em Português claro, correcto, conciso e vernáculo: Estou-me a cagar se alguém do "staff" Presidencial (mas que merda de palavra é esta? Não temos nenhuma "nossa" para definir o bando?) ajudou ou não o PSD a elaborar o programa eleitoral. Mais: aquilo a que chamamos (seguramente cheios de bondade) de "fontes anónimas"... eh pá. Desculpem lá. Uma alminha que põe na praça pública o que se passa onde lhe pagam o ordenado começa por ser em si de moral duvidosa. Há casos em que o imoral da situação denunciada o justifica, mas a quantidade de ocorrências dos últimos anos leva-me mais a crer em manipulação de informação e vendettas. Ou desinformação, vai dar ao mesmo.
Por último... os "jornalistas"... os "órgãos de comunicação"... essas coisas que não se inibem de dar ao prelo tamanhas barbaridades sem prévia confirmação por outras fontes que não as anónimas e confidenciais... deviam ser abatidos(as) a tiro, claro. E as respectivas redacções dinamitadas. Reduzidas a escombros.

Depois queixam-se "em portugal lê-se pouco"... Em Portugal lê-se e ouve-se demasiada merda. É o que se diz e escreve... Parece-me que também ao nível de um certo jornalismo de pacotilha insistimos em provar a existência de mamíferos invertebrados e desprovidos de massa encefálica.

Desculpem-me lá a franqueza.

Instantes

"Ruína" algures em Lisboa, esta cidade maravilhosa que tanto estimamos...

Xunning

Ou...

"Isto é o meu PC"

Sometimes...

Às vezes sinto aquele instinto primário de... bem, creio que me entendem.

Monday, August 24, 2009

Meanwhile...

Friday, August 21, 2009

Coisas surpreendentes




Além



Do infinito.
É para onde temos que olhar.

...




Gracias a la vida que me ha dado tanto.
Me dio dos luceros que, cuando los abro,
Perfecto distingo lo negro del blanco,
Y en el alto cielo su fondo estrellado
Y en las multitudes el hombre que yo amo.
Gracias a la vida que me ha dado tanto.
Me ha dado el oído que, en todo su ancho,
Graba noche y día grillos y canarios;
Martillos, turbinas, ladridos, chubascos,
Y la voz tan tierna de mi bien amado.
Gracias a la vida que me ha dado tanto.
Me ha dado el sonido y el abecedario,
Con él las palabras que pienso y declaro:
Madre, amigo, hermano, y luz alumbrando
La ruta del alma del que estoy amando.
Gracias a la vida que me ha dado tanto.
Me ha dado la marcha de mis pies cansados;
Con ellos anduve ciudades y charcos,
Playas y desiertos, montañas y llanos,
Y la casa tuya, tu calle y tu patio.
Gracias a la vida que me ha dado tanto.
Me dio el corazón que agita su marco
Cuando miro el fruto del cerebro humano;
Cuando miro el bueno tan lejos del malo,
Cuando miro el fondo de tus ojos claros.
Gracias a la vida que me ha dado tanto.
Me ha dado la risa y me ha dado el llanto.
Así yo distingo dicha de quebranto,
Los dos materiales que forman mi canto,
Y el canto de ustedes que es el mismo canto
Y el canto de todos, que es mi propio canto.
Gracias a la vida que me ha dado tanto.

Thursday, August 20, 2009

Quinta-Feira Seca I:


Como ladra um cão?
Rauf rauf rauf rauf. Rauf rauf, rauf rauf rauf rauf rauf rauf rauf rauf rauf. Rauf rauf rauf rauf rauf .

Como ladra um cão Alentejano?
Rauf... etc.

Nestum.

D'a:
vontade de não fazer nada, nicles, nestum, rien de rien, nadica;
dolce faire niente;
não fazer ponta del corno;
borregar;
asnar;
bezerrar;
etc etc etc.

(hoje sinto-me assim)

Tuesday, August 18, 2009

Pensamento do dia:


O

X

marca
SEMPRE
o
local.

(Pode é ser o local errado).

...



Há dias em que a vida tem que meter a mochila às costas e sair de fininho. Só porque sim, porque é necessário perseguir aquela sombra de algo que será sempre uma busca incessante. Acontece muito com almas irrequietas, sempre a necessitarem de mudar de lugar, de ver as coisas de um outro modo. De não ver o nascer do sol sempre do mesmo lugar.

Hoje vi o sol nascer num outro sítio. Tem-me acontecido muito nos últimos tempos, anoitecer e amanhecer em sítios diferentes, levar a noite como uma sucessão do dia quase em vigília, naquele estado de semi-consciência típico de presas e de predadores, quase como se a sequência dos dias fosse apenas e não mais do que uma estação, um ano, uma vida. Como se a vida fosse um só dia e não dependesse senão de mim para lhe escolher a alvorada e o ocaso. Sabe bem.

Na realidade nunca tinha reparado no nascer do sol ali. Ainda não o tinha visto com atenção. Com vento, vento muito forte a vergar as copas das árvores altas e a dobrar pelo caule os rebentos que um dia serão troncos. As mesmas árvores que via em puto crescer nas lezírias e que sabia que estavam perto de casa, vergadas pelo mesmo vento que vi ali, as mesmas árvores que redescobri mais tarde ao lado de outras baías no mesmo Tejo a lançarem os ramos ao mesmo vento e que me fizeram sentir em casa mais uma vez estão ali de novo, ao lado, perto, embora muito mais longe do rio, muito mais distantes de outras paisagens que conheci.
Fizeram-me sentir bem e de novo em casa. Não sei como se chamam, isso também não é importante. Tenho a certeza que crescem sempre perto de casa.



Monday, August 17, 2009

Blast.


Alma Negra


Where living bodies cover dead masks
Walking on the mud drenched of faithless tears
All these rivers fall into the sea





Férias


...mmm... Eu prefiro a palavra "ausente". Por razões técnicas de força maior, claro. Férias férias com aquele cheiro a campo, a mar e a descanso, nada. Uns passeios por aqui e por ali na cidade e pouco mais, a descobrir algumas coisas novas em sítios que pensava que já conhecia, nada mais do que isso. O facto de não ter que vir "aqui" todos os dias ajudou em algumas coisas, mas noutras... ainda bem que voltei sim.
Anyway, estou de volta. Podem-me tentar meter inveja com fotos de férias fantásticas em lugares fabulosos ou descrições de aventuras e percursos assombrosos... Lamentamos mas não vai funcionar. Não este ano.

Lisboa IV



Lisboa III


Lisboa II



Lisboa


Solidão


Ou talvez não. Ontem tive a sorte de ver na RTP Memória um episódio do Verão Azul. Voltei a ser puto durante uns quartos de hora sim, a rir das mesmas coisas de que me tinha rido há muitos anos atrás. E tive a sorte de ser o episódio em que se fala de solidão, em que o Chanquete diz "Nunca se está completamente só".