Friday, October 30, 2009

Sexta-Feira Calórica

Só assim para começar bem o dia, com muita alegria...

Wednesday, October 28, 2009

Monday, October 26, 2009

O Antigo Testamento Segundo Saramago (corrigido)

Naqueles dias Abraão levou o filho para o deserto Aí chegados amarrou-o a uma árvore e acendeu uma fogueira debaixo dos seus pés
Nisto uma voz diz
Abraão Abraão que é isso
Abraão encolhendo-se retorquiu Senhor Senhor eu estou sacrificando o meu filho conforme a Tua vontade
Não Abraão não mates o teu filho eu só queria medir a tua fé
Mas Senhor
Abraão solta o menino
Abraão soltou o filho O menino saiu disparado correu correu correu e Abraão gritava
Meu filho volta volta o Senhor libertou-te
O menino parou longe e gritou
Libertou o caralho Se eu não fosse ventríloquo estava bem fodido

Friday, October 23, 2009

Ainda está quente...

Se bem consegui compreender, Saramago "apenas" pretendeu negar à Bíblia as figuras a que recorre nas suas próprias criações, numa leitura minimalista e bastante redutora.
Quanto ao direito à dissidência e à heresia... Creio que estão ambos contemplados implícitamente na Carta dos Direitos do Homem no direito à liberdade.
No lugar do Jerónimo de Sousa eu ficaria preocupado. O Saramago parece-me cada vez mais próximo do Bloco de Esquerda do que do PC.

Next!!!!!

Ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros

Luís Filipe Marques Amado

Ministro de Estado e das Finanças

Fernando Teixeira dos Santos

Ministro da Presidência

Manuel Pedro Cunha da Silva Pereira

Ministro da Defesa Nacional

Doutor Augusto Santos Silva

Ministro da Administração Interna

Rui Carlos Pereira

Ministro da Justiça

Alberto de Sousa Martins

Ministro da Economia, da Inovação e do Desenvolvimento

José António Fonseca Vieira da Silva

Ministro da Agricultura, do Desenvolvimento Rural e das Pescas

António Manuel Soares Serrano

Ministro das Obras Públicas, Transportes e Comunicações

António Augusto da Ascenção Mendonça

Ministra do Ambiente e do Ordenamento do Território

Dulce dos Prazeres Fidalgo Álvaro Pássaro

Ministra do Trabalho e da Solidariedade Social

Maria Helena dos Santos André

Ministra da Saúde

Ana Maria Teodoro Jorge

Ministra da Educação

Isabel Alçada (Maria Isabel Girão de Melo Veiga Vilar)

Ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior

José Mariano Rebelo Pires Gago

Ministra da Cultura

Maria Gabriela da Silveira Ferreira Canavilhas

Ministro dos Assuntos Parlamentares

Jorge Lacão Costa

Secretário de Estado da Presidência do Conselho de Ministros

João Tiago Valente Almeida da Silveira


N. do Dono do Pasquim: lista "roubada" ao Psicolaranja.

Thursday, October 22, 2009

Mais uma pérola, desta feita com o patrocínio de...


A Camarada Rita "teflon" Rato, número 3 da lista nacional do PC às últimas legislativas, numa entrevista ao Correio da Manhã revelou cabalmente as qualidades que fazem dela uma promessa no seio do PCP: um espírito astuto, um domínio irrepreensível de temas diversos como a política internacional ou os direitos humanos e um raciocínio em linha com alguns grandes humanistas de esquerda. Passo a transcrever apenas algumas das respostas mais emblemáticas, para não maçar muito os leitores. A alforreca mediática faz jus ao curso de Ciência Política e Relações Internacionais e disserta longamente sobre temas fracturantes com um estilo jovem, fresco e que prenuncia grandes mudanças no seio do PCP.
A ler:

- Concorda com o modelo que está a ser seguido na China pelo PCC?
- Pessoalmente, não tenho que concordar nem discordar, não sou chinesa. Concordo com as linhas de desenvolvimento económico e social que o PCP traça para o nosso país. Nós não nos imiscuímos na vida interna dos outros partidos.

- Mas se falarmos de atropelos aos direitos humanos, e a China tem sido condenada, coloca-se essa não ingerência na vida dos outros partidos?
- Não sei que questão concreta dos direitos humanos...

- O facto de haver presos políticos.
- Não conheço essa realidade de uma forma que me permita afirmar alguma coisa.

- Mas isto é algo que costuma ser notícia nos jornais.
- De facto, não conheço a fundo essa situação de modo a dar uma opinião séria e fundamentada.

- No curso de Ciência Política e Relações Internacionais, não discutiu estas questões?
- Não, não abordámos isto.

- Como olha para os erros do passado cometidos por alguns partidos comunistas do Leste europeu?
- O PCP, depois do fim da URSS, fez um congresso extraordinário para analisar essa questão. Apesar dos erros cometidos, não se pode abafar os avanços económicos, sociais, culturais, políticos, que existiram na URSS.

- Houve experiências traumáticas...
- A avaliação que fazemos é que os erros que foram cometidos não podem apagar a grandeza do que foi feito de bom.

- Como encara os campos de trabalhos forçados, denominados gulags, nos quais morreram milhares de pessoas?
- Não sou capaz de lhe responder porque, em concreto, nunca estudei nem li nada sobre isso.

- Mas foi bem documentado...
- Por isso mesmo, admito que possa ter acontecido essa experiência.

- Mas não sentiu curiosidade em descobrir mais?
- Sim, mas sinto necessidade de saber mais sobre tanta outra coisa...

(Daqui).



Conclusões:
Tenho pena que os meus impostos andem a pagar o ordenado desta amiba.

Twitter:


O humorista José "Abel" Saramago acaba de ser alegadamente agredido "à mocada" na moleirinha por um indivíduo que alega chamar-se Caim.

1,5


É o valor (arredondado) a que se está a transaccionar euro em dólares americanos. Um euro vale cerca de um dólar e meio.
Lá está. Um dólar vale um dólar enquanto todos acreditarmos que é esse o seu valor. Covém não esquecer que o mesmo é válido para o "nosso" euro.

Saramago II

Ontém voltei a ver o "nosso" laureado na TV. Não percebi nada do que ele disse, mas reparei que vinha com os seus dois novos amigos árabes, o Al e o Zheimer.

Wednesday, October 21, 2009

Wrestling Matinal

Aparentemente o Undertaker manietou o Heath Slater. Tudo no "Hell in a Cell"...


Pensamento do dia:

"Nas várias audiências com líderes e direcções partidárias após as eleições, o Presidente da República revelou com clareza ser contra cenários de crise política a curto-prazo."

Eu diria que com os actuais níveis de abstenção JÁ temos uma crise política... Mas devo ser estrangeiro, claro.

Monday, October 19, 2009

Pensamento da tarde:

"Gosto muito de longos passeios, principalmente quando são dados por pessoas que me chateiam."


(Nota do responsável do tasco: já é repetido, mas é sempre actual).

Saramago.

Em relação às recentes declarações de Saramago... Parece-me que para ateu (como afirma ser), está demasiado preocupado com a fé alheia (mas só um bocadinho). Tirando isso há que reconhecer-lhe uma razão: em nome de Deus cometeram-se (e continuam a cometer-se) algumas das piores barbaridades de que há memória por este mundo fora.

Saramago apenas se equivoca numa coisa: nada disto está relacionado com Deus, mas sim com a vontade que o Homem tem de se apropriar da "Verdade" em proveito próprio. Há que saber distinguir Deus da religião.

Friday, October 16, 2009

...

Ontém descobri que o canal ARTv já emite. Foi por acaso do zapping, mas em boa hora: passavam um documentário sobre a República (em Portugal, claro). Não pude deixar de me tocar com uma entrevista à boca da urna, algures na "província" durante as primeiras legislativas. Uma senhora, dizia ela, com setenta e três anos, que tinha vivido para aquilo, e que estava feliz, muito feliz por ter ido votar. Sentia-se na voz a sinceridade do sentimento. E fiquei-me a perguntar como é que em trinta e cinco anos passamos disto aos 40% de abstenção. Se é desinteresse é culpa nossa. Se é má qualidade da nossa classe política... é culpa nossa.

Não é novo.

Nada disto é novo.
Mas a solidão absoluta é SEMPRE chocante.
(Sim, porque isto é solidão absoluta). Eu pensava que não havia, afinal há. E não foi numa cabana perdida no meio de um bosque, foi num apartamento nos arredores de uma das maiores cidades europeias. Da tal Europa das pessoas.

Bloggers contra a pobreza


Manifestamos que:

1. A pobreza e a exclusão social não são uma fatalidade, mas antes o resultado de um mundo injusto e desigual e não se resolvem apenas com sobras ou gestos de generosidade esporádica. As causas da pobreza e da exclusão social só podem ser eliminadas modificando os factores económicos, sociais e culturais que geram e perpetuam as condições favoráveis a elas. A pobreza é um atentado aos Direitos Humanos, que deve ser erradicada em todos os países;

2. A campanha Pobreza Zero luta contra as causas estruturais determinantes da pobreza e da exclusão social, e desafia as instituições e os processos que perpetuam a pobreza e a desigualdade no mundo. Trabalhamos pela defesa dos direitos humanos, pela equidade de género e pela justiça social;

3. O mundo em que vivemos é um mundo de abundância e nunca como hoje foi tão possível erradicar a pobreza – nunca houve tantos recursos financeiros e tecnológicos disponíveis que permitam erradicar para sempre a pobreza extrema do nosso planeta. Deve também reconhecer-se que a pobreza em Portugal, tal como a nível mundial, não é devida à falta de recursos. O problema reside no facto de a pobreza continuar a ser vista como uma questão periférica, pretensamente resolúvel por políticas e medidas periféricas e residuais;

4. Na nossa acção queremos pressionar os governos para que erradiquem a pobreza, diminuam drasticamente as desigualdades e alcancem os Objectivos de Desenvolvimento do Milénio.

Pedimos:

* Prestação pública de contas, governação justa e o respeito pelos direitos humanos;
* Justiça no comércio global;
* Aumento substancial na quantidade e na qualidade de ajuda (0,7% do RNB até 2015) e no financiamento para o desenvolvimento;
* O cancelamento de dívidas dos países mais pobres e de rendimento médio;
* A tomada de medidas politicas que visem a mitigação das alterações climáticas, de forma a que os países poluidores paguem os danos causados no meio ambiente;
* O apoio internacional à concretização de medidas de adaptação às alterações climáticas, nos países e comunidades mais vulneráveis, com recursos adicionais aos da ajuda pública ao desenvolvimento;
* O fim dos bloqueios culturais e comportamentais que a pobreza persistente gera nos pobres, comprometendo a sua capacidade de vencer a situação e de utilizar os meios postos ao seu dispor;
* Integrar, nas diferentes políticas públicas, objectivos, estratégias e instrumentos que visem a remoção das causas estruturais da pobreza e da exclusão;
* Promover a mudança de mentalidade dos não-pobres, superando preconceitos acerca da pobreza e suas causas e estimulando comportamentos mais solidários;
* Que a equidade de género seja reconhecida como elemento central na erradicação da pobreza.

Por isso agimos, mobilizando a sociedade civil, para que, unida nesta luta, pressione o governo português e as instituições poderosas para que:

» Incluam nas suas agendas o objectivo da erradicação da pobreza no mais curto período de tempo;

» Adoptem níveis salariais, pensões e prestações sociais mínimas que não fiquem aquém do limiar da pobreza e aumentem a eficácia e eficiência das transferências sociais e demais políticas sociais;

» Reduzam drasticamente as emissões de gases de efeito de estufa e proporcionem recursos adicionais (para além dos 0,7% do RNB) para o apoio a países em desenvolvimento;

» Acabem com os conflitos armados, ocupações, guerras e as violações sistemáticas dos direitos humanos que as acompanham, e trabalhem com vista à desmilitarização de modo a assegurar a paz e a segurança humana;

» Todos os governos prestem contas aos seus povos e tenham transparência no uso dos recursos públicos, desenvolvam estratégias anti-corrupção pró-activas e consistentes com as convenções internacionais;

» Protejam jurídica, física, social e economicamente os direitos das crianças, incluindo as crianças afectadas por conflitos e/ou catástrofes e carentes de acesso a serviços públicos de qualidade;

» Garantam o direito à informação e à liberdade de expressão, incluindo a liberdade de imprensa e de livre associação;

» Assegurem a participação da sociedade civil nos processos de orçamentação;

» Assegurem serviços públicos universais e de qualidade para todos (saúde, educação – incluindo a alfabetização de adultos – água e outros);

» Promovam regras de comércio internacional e políticas nacionais de comércio que assegurem modos de vida sustentáveis, os direitos das mulheres, crianças e povos indígenas, conduzindo à erradicação da pobreza;

» Garantam um aumento substancial na qualidade e na quantidade de recursos necessários para a erradicação da pobreza, a promoção da justiça social, a realização dos ODM, a equidade de género e a garantia dos direitos das crianças e dos jovens;

» Revertam a fuga de capitais dos países pobres para os países ricos, identifiquem e repatriem os activos roubados, por meio de acções contra paraísos fiscais, instituições financeiras, multinacionais e outros actores que facilitem esse processo.

Pretendemos mobilizar o máximo de pessoas possível, de modo a mostrar o poder da sociedade civil unida na luta por uma causa global e solidária. É preciso pôr um fim à pobreza. Juntos somos capazes de acabar com a pobreza!

Junta-te a nós!
Levanta-te durante o tempo desta música que agora toca e passa a palavra!

Not an addict



Breath it in and breath it out
and pass it on it's almost out
We're so creative and so much more
We're high above, but on the floor

It's not a habit, it's cool
I feel alive
If you don't have it your on
the other side

The deeper you stick it in your vein
The deeper the thoughts there's no more pain
I'm in heaven, I'm a god
I'm everywhere, I feel so hot

It's not a habit, it's cool
I feel alive
If you don't have it your on
the other side
I'm not an addict (maybe that's a lie)

It's over now, I'm cold, alone
I'm just a person on my own
Nothing means a thing to me
Oh, nothing means a thing to me

Free me, leave me
Watch me as I'm going down
Free me, see me
Look at me I'm falling
And I'm falling.........

It is not a habit, it is cool
I feel alive I feel.......
It is not a habit, it is cool
I feel alive

Thursday, October 15, 2009

Wednesday, October 14, 2009

Web 2.0

Ia encerrar aqui o estaminé, e decidi fazer uma daquelas coisas que não se fazem todos os dias. Li a minha lista de contactos - sim, li. Nos gmail's e facebooks e afins, incluíndo a outra, a do trabalho. E com raríssimas excepções, conheço as pessoas que lá estão, sei quem são, e cada uma delas me relembra de uma parte da minha vida. E constato (mais uma vez) que tenho a sorte de conhecer pessoas fora de série e de algumas delas me terem como amigo.
Afinal parece que tem valido a pena andar por aqui.

Tão verdade, mas tão verdade....

Aqui.

Iniciativas

Pela sustentabilidade.
Aqui, Coisas do Vizinho.

Mais coisas importantes cá do burgo:

O Pedro Passos Coelho parece um elástico. Está a esticar-se. A mandar-se para fora de pé.
A malta não costuma gostar muito de noites das facas longas nem de quem as promove... Digo eu sem perceber nada do assunto, mas ainda o cadáver está quente e já se pede a cabeça do defunto...

Perdi treze quilos...

...Cortei as unhas dos pés.

Coisas realmente importantes:

Temos um novo Governo em Portugal. Vamos lá ver como é que se porta...

Carta aberta à minha amiga Maitê...



Maitê, minha querida, ouvi hoje de manhã o teu pedido desculpas aos Portugueses. É verdade sim, disseste que tinha sido uma brincadeira e que quem não o tinha entendido assim é porque não tinha sentido de humor. Disseste que és Portuguesa, porque no clube Ginástico no Rio de Janeiro está um busto do teu Avô (um senhor de apelido "Galo") que era Português...

Maitê... pela nossa amizade antiga, não te posso deixar enganada... Tu és tão Portuguesa como os ovários do Napoleão, minha querida, ou seja, nada. És Brasileira, ponto final parágrafo (e acredita que está foríssima de questão vires a ser Portuguesa). O teu Avô é que deve estar às voltas no túmulo com essa tua esperteza saloia, no mínimo a jurar que se soubesse onde é que a descendência ia dar tinha cortado os tomates rente em pequenino (chama-se cortar o mal pela raíz). És também um bocadinho burra, não percebes pevide de História de Portugal, a Geografia passou-te ao lado (e eu gostava de te passar por cima com um camião a derrapar, claro).

Não te ouvi pedir desculpas por teres cuspido num monumento que calha (por acaso) a ser Património Nacional, não te ouvi pedir desculpas por teres sido arrogante, não te ouvi pedir desculpas por teres sido incorrecta, não te ouvi pedir desculpas por coisa nenhuma. Vi-te sim a desculpares-te a ti própria com a pretensa falta de humor de todos os que não te conseguiram entender (porque és de uma inteligência e sentido de humor apuradíssimos) nem conseguiram entender o contexto de um programa que seguramente foi concebido para intelectuais - porque aqui na Tuga é tudo malta esquisita e falha de cérebro.

Amiga Maitê, uma recomendação final: vai para o caralhinho mais ao teu pedido de desculpas, aqui deste lado prezamos muito (mas muito mesmo) que te vás foder. Se não sabes o que quer dizer, pergunta ao teu Avô.

Tuesday, October 13, 2009

Amor...

Eu tenho dois amores... tcha-ra-raaaaaam!!!!!
Na realidade são três, e por ordem de chegada:

A mais antiga, e a que me causa mais impingens e outros problemas cutâneos de cada vez que emite sons em frente a uma câmara, a sempre acéfala Carolinaaaaaa Patrocíííííniiiiooooo!!!!!
A uma unha negra de distância, quase na disputa do lobotomia's special one (ex-aequo com a CP), a Joanaaa Amaraaaaal Diaaaas!
E, last but not least, também por uma questão de pele, e porque é burrinha o suficiente para acreditar que desabrochar é tirar o "nabo" da boca.... Maitê Proençaaaaaaaa!!!!!!


Nota do dono do Pasquim: Desculpem-me as alminhas mais sensíveis, mas uma gaja que cospe nos Jerónimos (ou seja onde for) e tem a desfaçatez de o publicar, venha ela de onde vier, pode até ser a filha bastarda mais velha do Ratzinger, para mim é puta.

Interessante mesmo é

Um País em que tanta gente tanto fala de política e com tão fracos resultados. E a qualidade da Democracia que se vê.

Na senda...

Ligo a televisão e só oiço cantar vitória. Na minha terra chama-se "cantar de galo".

Monday, October 12, 2009

Eleições:

Este ano tivemos mais actos eleitorais do que chuva.
Pela parte que me toca... Estou a um passinho de emigrar.

Que linda que ela é...

Esta jovem cidadã consegue demonstrar de forma cabal o modus operandi de uma paramécia quando colocada em frente a uma câmara. Eu oferecia-lhe uma viagem de volta em primeira classe dentro de um contentor e torpedeava-o no meio do Atlântico, e mesmo assim...

Friday, October 9, 2009

Novo Vírus

Como sabe o leitor sagaz e atento, estamos desde há algum tempo sob a ameaça de um dos mais perigosos e contagiosos vírus de que há memória.
Falo naturalmente do SLB1, popularmente conhecido como Gripe das Águias.
Paulatinamente, o pânico começa a apoderar-se da população e é nestas alturas que urge esclarecer e informar, para se evitarem males maiores.
Fica aqui uma sequência de Perguntas Frequentes e respectivas respostas:

O que é o novo vírus da Gripe das Águias (SLB1)?

- É um vírus altamente contagioso que ataca sobretudo a população benfiquista, principal grupo de risco. As vítimas têm normalmente a memória muito curta e uma assustadora incapacidade de distinguir a ficção escrita nos desportivos da realidade.

Quais os sintomas da doença?

- O SLB1 causa nos infectados picos de febre altíssima, levando-os ao delírio e a acreditar piamente que o Benfica será campeão, que ganhará a Champions (mesmo sem participar há uns bons aninhos) e o Torneio de Chinquilho de Atouguia da Baleia. Outros sintomas: os infectados voltam subitamente a falar de futebol, compram em massa produtos
oficiais do SLB, retomam o envio de sms's jocosos aos rivais e juram a pés juntos que o Luisão é um bom central.

Como se infectam as pessoas com o novo vírus da Gripe das Águias (SLB1)?

- Ouvindo mais que dois minutos sócios e simpatizantes do SLB, lendo jornais desportivos (um simples olhar para a capa pode ser fatal), sintonizando a SIC, TVI ou SportTV. Ser assinante da Benfica TV é assinar (lá está...) a sua própria certidão de óbito. Ler as crónicas do João Gobern pode ser fatal.
Estes são comportamentos de risco que devem ser evitados a todo o custo.

Qual é o período de incubação da doença?

- O período de incubação da Gripe das Águias, ou seja, o tempo que decorre entre o momento em que uma pessoa é infectada e o aparecimento dos primeiros sintomas, é equivalente ao tempo que o Carlos Martins demora a lesionar-se num jogo. 5 a 9 minutos, portanto.

Quanto tempo dura a infecção pelo SLB1?

- Estudos realizados em temporadas recentes demonstram que este vírus começa a manifestar-se em meados de Junho. A sintomatologia dura geralmente até a 6ª jornada. 10ª na pior das hipóteses. Nessa altura dá lugar à Depressão das Águias, tema que abordaremos numa próxima oportunidade.

A doença pode ser tratada?

- Sim, pode. Geralmente uma derrota em casa com um Olhanense ou Metallist (?) ou uma cabazada fora com um Olympiakos são remédio santo.

O que devo fazer entretanto?

- Evite o contacto próximo com pessoas doentes, mantenha-se afastado de qualquer jornal desportivo, mantenha a calma e aguarde tranquilamente pelo mês de Novembro, altura em que se prevê que o vírus esteja extinto.


(Pela via do costume)

Thursday, October 8, 2009

Escutas em Belém:

A confirmação dos receios do Presidente da República.


(Chegada por e-mail)

Darwin e o evolucionismo...



Dedicado a todos os amigos e amigas que ainda não viram a Luz.

Pensamento do dia:



"Até um relógio parado tem razão duas vezes ao dia."

Wednesday, October 7, 2009

Alfacinha's Storm

De madrugada foi o fim do mundo em cuecas
Quando abriram os portões do inferno e alguém disse:
"Solte-se a tempestade".
A tempestade soltou-se e ninguém a agarrou.


Tuesday, October 6, 2009

Pensamento da tarde:

Só estamos verdadeiramente sós quando olhamos para (o) amanhã e não discernimos nada. Apenas o vazio e nada que possamos fazer para o preencher. O vazio e a incapacidade de o modificar. A solidão é feita de perder a confiança naquilo que somos e de que somos capazes. Talvez não hoje, mas amanhã.

A nata.

Não há como evitar os cartazes espalhados um pouco por todo o lado com as fronhas dos putativos candidatos a "prejidente da Câmara". A mim dão-me vontade de emigrar antes que viver em Portugal dê direito a receber um subsídio de insalubridade.
Há para todos os gostos, e com uma falta de gosto impensável há apenas umas semanas atrás. As frases-chave são de uma indigência mental a raiar o nível de uma paramécia, e as faces (valha-nos Deus) variadamente feias dentro do espectro compreendido entre uma berliet estampada e a parte de trás de um acidente de combóio (e a inspirarem mais ou menos a mesma graduação de confiança). É todo um Portugal profundo que sai do armário e se revela no esplendor da mediocridade, dado que os cartazes não são mais do que a face visível da desgraça que aí virá.

Segunda à Terça:

Voltei, mas voltava as costas e voltava para de onde vim.
A semana está mesmo a custar a passar...