Friday, February 26, 2010

Pensamento da tarde:




"Jet-lag é o tempo que a alma leva a chegar quando vamos de um lado ao outro demasiado rápido, porque a alma anda a pé, e não mais depressa do que um camelo".



( É o que dizem uns quantos povos no Norte de África,
 ao que me disse a manusca).

Amanhã....




Alegria!


O Spórténg do meu coração (vai ser seguramente no próximo Domingo quando fizer um churrasco de bicharoco ao Clube Desportivo da Filarmónica do Dragão) ganhou ontém. Nem sei por quantos, mas fica aqui o apontamento:
O Spórtén é o Máiór!


Thursday, February 25, 2010

...





Wednesday, February 24, 2010

Loop infinito.


”The most brilliant propagandist technique will yield no success unless one fundamental principle is borne in mind constantly ― it must confine itself to a few points and repeat them over and over”
Joseph Goebbels.

Tuesday, February 23, 2010

Contraditório:

E se tudo o que se diz e tem dito sobre as negociatas de "agentes" do Estado em empresas privadas for falso?
Se as alegadas pressões sobre os jornalistas e redacções nunca aconteceram?
Se o PM nunca disse do Mário Crespo o Mário Crespo afirma que ele disse?
E se o caso Casa Pia não passou de uma inventona para quilhar figuras "graúdas" do PS?
E se o caso Freeport não passar na realidade de um caso sem importância?
E se os agentes da Justiça andarem efectivamente em conlúio com a oposição (formal e informal) ao Governo e ao PS?
E se e se e se?
E SE?????


Este "SE" é a questão que nunca devemos deixar de colocar. Seja como for, SE isto ou SE não isto, o resultado é francamente deprimente e diz bem da qualidade dos nossos... Esses coisos.

Pedro Adão e Silva dixit:


..."Sócrates não só desconhecia o negócio, como estava contra a sua realização."...




Apanhado aqui, no Diário Económico, lido originalmente no 5 dias.
Estava com dúvidas, mas é verdade, está lá escrito.
Um must.


(Mas a argumentação não deixa de ser interessante. A ler.)

Aquamaaaaan!!!!!!!


...
Alguém quer um par de guelras para a troca?
...

Monday, February 22, 2010

Isto ultrapassa os limites.

A ser verdade o que vem nesta notícia do DN, este jovem cidadão deveria ser preso. Porque ou as suspeitas iniciais do DIAP se confirmam e não é boa rês, ou, a ser verdade o que diz, não é pessoa de palavra. 


Eu pergunto-me é como é que gente deste calibre ocupa os lugares que ocupa.

Friday, February 19, 2010

És cruel...







És cruel
Meteste a tua filha num bordel
Enforcaste o teu caniche a um cordel
És cruel

És tarado
Pintaste o sexo cor de rebuçado
No circo tu serias um achado
És tarado

És um porco imundo,
Quando queres vais até ao fundo
Não sei onde vais parar

És ignóbil
Não sei qual é que é o teu móbil
És um reciclado de Chernobil
És ignóbil

És vaidoso
Meteste uma pompom na tua franja
Sabes que ainda o dia é uma criança
És vaidoso

És um porco imundo
Quando queres vais até ao fundo
Não sei onde vais parar

És obtuso
Lavas a tromba com água do Luso
O teu nariz é como um parafuso
És tarado

És obsceno
Os teus olhos diz que ele é um veneno
Encharcas-te com vinho do Reno
És cruel

És um porco imundo
Quando queres vais até ao fundo
Não sei onde vais parar

Para desmoer... no fim-de-semana:


TEACHER: Maria, go to the map and find North America .
MARIA: Here it is.
TEACHER: Correct. Now class, who discovered America ?
CLASS: Mariaaaa!!!!





TEACHER: Glen, why do you always get so dirty?
GLEN: Well, I'm a lot closer to the ground than you are.



TEACHER: Millie, give me a sentence starting with ' I. '
MILLIE: I is..
TEACHER: No, Millie..... Always say, 'I am.'
MILLIE: All right... 'I am the ninth letter of the alphabet.'



TEACHER: Clyde , your composition on 'My Dog' is exactly the same as your brother's. Did you copy his?
CLYDE : No, sir. It's the same dog.




TEACHER: Now, Simon, tell me frankly, do you say prayers before eating?
SIMON: No sir, I don't have to, my Mom is a good cook.


(a última é de ir à lágrima... E... chegado por e-mail).


Invictus ou a piadola da semana:

Creio - ao que li - que José Sócrates fez uma referência ao Invictus em recente declaração ao País. Ora... O que é que há em comum entre Mandela e Sócrates? Nada. Mandela esteve preso durante trinta anos. Sócrates deveria ser preso durante os próximos trinta anos. É a única coisa que me ocorre assim de repente.

Tuesday, February 16, 2010

Claro que não.

Diz o DN que "Ninguém conta mortes por frio". 
Claro.
O problema não é o arrefecimento global, mas sim o aquecimento global.

De pele. Para que não restem dúvidas em quem por aqui passa.

Não gosto de quem fala sem convicção e que necessita (antes de convencer os outros) de se convencer a si próprio. 
Não gosto de quem fala com tiques de evangelista visionário sem que tenha nada para ensinar. 
Não gosto de quem não sabe onde colocar as tónicas e as átonas numa frase. 
Não gosto de quem não tem um sorriso sincero. 
Não gosto de quem não sabe pedir desculpas a não ser que haja um ganho óbvio nessa atitude.
Não gosto de pessoas mentirosas. Principalmente quando não sabem mentir (porque não sabem colocar as tónicas e as átonas numa frase).
Não gosto de pessoas narcisistas e com um sentido de missão típico do clarividente solitário - costumam ter tiques evangelistas e nada para ensinar.
Não gosto de pessoas que se fazem passar por aquilo que não são, principalmente quando o fazem a todo o custo.
Não gosto de pessoas calculistas, que manipulam afectos em função dos seus objectivos, em vez de traçarem objectivos em função dos seus afectos. Não têm carácter. E eu não gosto de pessoas sem carácter.
Não gosto do Cidadão José Sócrates (enquanto figura pública). Não gosto da maneira como fala nem da maneira como tenta sorrir e parecer simpático. Não confio no Cidadão José Sócrates. Não confio em pessoas de quem não gosto, porque normalmente não gosto de pessoas em quem não posso confiar. Nunca confiei no Cidadão José Sócrates porque o Cidadão José Sócrates nunca me inspirou confiança. Porque uma pessoa que tem que se esforçar para me merecer confiança não é - no seu estado natural - de confiança. Não tenho qualquer respeito - para além do mínimo a que o civismo me obriga - pelo Engenheiro José Sócrates, nem pela sua carreira académica, conseguida graças a uma situação de favorecimento absolutamente excepcional e não fundamentada à luz de qualquer argumento lógico. 
E não me digam que o Cidadão José Sócrates tem carácter.  Eu vi - e aprendi com quem sabe - o que é carácter. Na prática do dia-a-dia. Carácter é não pretender situações de excepção para se atingir um qualquer objectivo por muito necessitado que se esteja. É não pedir para não ficar a dever. É saber cumprir com a parte do dever para poder exigir a parte do haver. É ser-se independente. É saber não abdicar do nome que carregamos em função de um prefixo que não merecemos. É saber que o caminho que fazemos é tão importante como o sítio onde queremos chegar. É saber escolher quem temos ao nosso lado em função de princípios e não de interesses. É saber assumir os erros e as respectivas consequências, nem que isso seja um duro exercício de solidão - e saber fazê-lo com sinceridade e por uma questão de princípios, não por oportunismo. And so on.


Por tudo isto - que são coisas cá muito minhas e mais nada - o Cidadão José Sócrates é o lamentável Primeiro-Ministro deste País mas não graças a mim. Por minha vontade teria continuado a assinar o nome na galeria de horrores que plantou no sopé da Serra. E o António Costa que não me lixe a molécula na quadratura do círculo: O que está aqui em causa é uma questão de carácter. A Democracia é em si uma questão de carácter. 

O'questrada




Friday, February 12, 2010

Eu vi...


Um Jesuita montado numa Alemã. 



Thursday, February 11, 2010

Publicidade enganosa:


...





Quando ouço José Sócrates falar da sua governação fabulosa, cheia de atributos, que deve encher de orgulho os portugueses, e comparo as projecções do nosso Primeiro-Ministro com as dos bancos internacionais e das agências de rating (que nos empurram em termos de performance para o fundo do pelotão do Euro, só superados pela Grécia), não sei porquê, lembro-me sempre daquele anúncio de jornal:



(recebida pela via do costume)

Nos lugares do costume.








Há dias que nascem assim aqui.




Sempre surpreendente




Ocaso.


Wednesday, February 10, 2010

Há dois membros do governo que não me inspiram confiança nenhuma:

O Procurador Geral da República e o Presidente do Supremo Tribunal de Justiça. E devia haver algo naquela história das incompatibilidades de cargos a respeito destes dois senhores.

À altura...

José Sócrates garante a nomeação de alguém "à altura" para substituir Vítor Constâncio no Banco de portugal. Fala-se em Manuel Pinho (eu vou só ali rir-me um bocadinho e volto já. A seguir vou comprar um bilhete de avião para o fim do mundo, só de ida).

E...

Num País onde a Justiça nunca condena  nem inocenta determinado tipo de culpados, torna-se normal para o povo - inculto neste linguajar complicado (da Justiça) - que determinado tipo de culpados possam ser julgados e condenados na praça pública. 
E assim, apenas por inépcia e demissão da Justiça, ser-se arguido nos dias que correm implica imediatamente ser-se culpado na tal praça pública, porque demasiados culpados nunca passam de arguidos perante a tal Justiça que não funciona.

Coisas que valem mesmo a pena ler:

Acerca do sítio onde mais desperdiçamos o nosso tempo.

Monday, February 8, 2010

No CM...


No computador de Rui Pedro Soares, administrador da PT, foi apreendido o contrato que permitiria à PT comprar a Media Capital. Antes já a PJ tinha interceptado um mail em que estava a versão final enviada para a Prisa, em Madrid. O negócio tem vindo a ser desmentido pelos mais altos quadros da empresa de capitais públicos, mas a verdade é que as escutas telefónicas, aliadas aos documentos apreendidos, mostram exactamente o contrário. José Sócrates sabia do negócio desde o início, e o seu desejo ia mais longe. Queria que aquele se fizesse com a aparente capa de legalidade. 


Numa primeira fase, deviam ser empresários a adquirir 30% dos capitais da empresa, para assim a PT não aparecer como principal accionista. O objectivo, mais uma vez, era controlar a informação e acabar com o que era considerado o maior entrave à vitória socialista: a permanência de Manuela Moura Guedes e de Eduardo Moniz à frente dos conteúdos da televisão de maior audiência.


Rui Pedro Soares assumiu um papel fundamental no negócio. A 3 de Junho vai a Madrid para negociar com os espanhóis da Prisa. A 19 de Junho pede a Paulo Penedos para enviar a versão definitiva do contrato para um mail para Espanha. Janta depois, segundo o próprio, com José Sócrates, e comenta com Penedos que o 'chefe estava bem-disposto'. Rui Pedro Soares diz depois que Sócrates quer que seja a PT a 'assumir o controlo da operação'.


O CM confrontou a administração da Portugal Telecom com a actuação do administrador executivo, mas fonte oficial da empresa afirmou que 'não há comentários a fazer'.


Entretanto, ouvidos pelo CM, vários accionistas de referência manifestaram-se visivelmente incomodados com a actuação de Rui Pedro Soares e com a sua permanência na comissão executiva da PT. Solicitam a intervenção do presidente do conselho de administração, Henrique Granadeiro, para o seu afastamento. fonte próxima de Rui Pedro Soares adiantou ao Correio da Manhã que o quadro da PT 'está muito indignado' e que 'houve uma manipulação das declarações'.


'CM' DAVA CONTA DE CRIME EM NOVEMBRO


A 14 de Novembro, pouco mais de duas semanas depois de o caso ‘Face Oculta’ ter sido tornado público, o ‘CM’ revelava que os magistrados de Aveiro entendiam haver indícios da prática do crime de atentado contra o Estado de Direito Democrático. Foi com base nesses mesmos indícios que Pinto Monteiro decidiu que não avançava com qualquer investigação, optando por um arquivamento administrativo.


DESPACHO DO PROCURADOR JOÃO MARQUES VIDAL – 23 DE JUNHO DE 2009


'Face à gravidade das suspeitas existe a obrigação de investigar'


'Nas intercepções telefónicas autorizadas e validadas neste inquérito, em diversas conversações surgiram indícios da prática de outros crimes para além dos directamente em investigação nos autos, tendo sido decidido genericamente que se aguardaria pelo desenvolvimento da investigação com vista a garantir o máximo de sigilo e eficácia, excepto se as situações decorrentes destes conhecimentos, pela sua gravidade e circunstâncias, exigissem o desenvolvimento de diligências de investigação autónomas que impusessem a imediata extracção de certidão.


Sucede que do teor das conversações interceptadas aos alvos Paulo Penedos e Armando Vara resultam fortes indícios da existência de um plano em que está directamente envolvido o Governo para interferência no sector da comunicação social visando o afastamento de jornalistas incómodos e o controlo dos meios de comunicação social, nomeadamente o afastamento da jornalista Manuela Moura Guedes, da TVI, o afastamento do marido desta e o controlo da comunicação do grupo TVI, bem como a aquisição do jornal Público com o mesmo objectivo e, por último, mas apenas em consequência das necessidades de negócio, a aquisição do grupo Cofina, proprietário do Correio da Manhã.


Face ao disposto nos artigos 2º e 38º nº 4 da Constituição da República Portuguesa, artigo 10º da Convenção Europeia dos Direitos do Homem e artigos 4º e 6º da lei da Televisão (Lei 27/2007 de 30 de Julho), que a seguir se transcrevem, o envolvimento de decisores políticos do mais alto nível neste 'esquema' (expressão empregue por Armando Vara em 21--06-2009) de interferência na orientação editorial de órgãos de comunicação social considerados adversos, visando claramente a obtenção de benefícios eleitorais, atinge o cerne do Estado de Direito Democrático e indica a prática do crime de atentado contra o Estado de Direito, previsto e punido no artigo 9º da Lei 34/87 de 16 de Julho – Crimes da Responsabilidade dos Titulares de Cargos Políticos.


Encontram-se preenchidos os dois critérios acima referidos relativos à necessidade de autonomização da investigação, a saber, o da gravidade do ilícito e o de as circunstâncias imporem a realização de diligências de investigação autónomas (diligências que pela sua natureza não possam ser proteladas).


A gravidade do ilícito que na essência consiste na execução de um plano governamental para controlo dos meios de comunicação social visando limitar as liberdades de expressão e informação a fim de condicionar a expressão eleitoral através de uma rede instalada nas grandes empresas e no sistema bancário (referida nas intercepções como composta pelos 'nossos'), não se detendo perante a necessidade da prática de outros ilícitos instrumentais – nomeadamente a circunstância de do negócio poderem resultar prejuízos económicos para a PT (prejuízos que previsivelmente seriam ‘pagos’ com favores do Estado ou no mínimo colocariam os decisores políticos na dependência dos decisores económicos) ou, na 1ª versão do negócio, a prestação de informações falsas às autoridades de supervisão, Autoridade da Concorrência, CMVM (Comissão do Mercado de Valores Mobiliários) e ERC (Entidade Reguladora para a Comunicação Social), ou mesmo através da manipulação do mercado bolsista (variação das acções da Impresa) – traduz-se numa corrupção dos fundamentos do Estado de Direito Democrático, o que é reconhecido pelos próprios intervenientes.


Como resulta da Constituição da República, da Convenção Europeia dos Direitos do Homem e da lei não é possível construir um Estado de Direito democrático sem meios de comunicação social livres das interferências e dos poderes políticos e económicos.


No que concerne à necessidade de diligência de investigação autónoma, esta decorre da premência da realização de diligências para esclarecimento do 'esquema' relativo ao Público/ Nuno Vasconcelos/ Impresa e Cofina/ Correio da Manhã, e à identificação de todos os participantes no 'esquema' da TVI, diligências que a não serem realizadas de imediato poderão levar a perdas irremediáveis para a actividade de aquisição da prova, sendo certo que existem indicações que o 'esquema' TVI poderá estar concluído até à próxima quinta-feira.


Face à multiplicidade e gravidade das suspeitas, existe a obrigação legal de proceder à correspondente investigação, não podendo a mesma, como vimos, aguardar para momento ulterior à sua autonomização.


O problema da partilha dos alvos que impõe uma estreita colaboração entre as duas investigações e os problemas da segurança e eficácia das investigações podem ser fortemente atenuados se ambas as investigações forem atribuídas ao núcleo da PJ que agora as executa (o que me parece essencial para garantir o êxito das investigações) e se ao nível do Ministério Público existir um entrosamento entre as equipas de direcção da investigação.


Para o efeito, e junta que seja a certidão e cópias dos suportes técnicos que a seguir se referem, será todo o expediente remetido em mão para superior apresentação e instauração do competente procedimento criminal.


Para autorização da investigação, nos termos do artigo 187º nº 1, 7 e 8 do Código de Processo Penal requeiro a extracção de cópia da totalidade das gravações relativas aos alvos, dos correspondentes relatórios e dos doutos despachos judiciais relativos à autorização, manutenção e cessação das intercepções telefónicas.


DESPACHO DO JUIZ DE AVEIRO ANTÓNIO JOAQUIM COSTA GOMES – 29 DE JUNHO de 2009


'Indícios da existência de um plano em que está envolvido o Governo'


Do teor das conversações interceptadas aos alvos Paulo Penedos e Armando Vara resultam indícios muito fortes da existência de um plano em que está directamente envolvido o Governo, nomeadamente o senhor primeiro-ministro, visando:


– o controlo da estação de televisão TVI e o afastamento da jornalista Manuela Moura Guedes e do seu marido, José Eduardo Moniz, para dessa forma ser controlado o teor das notícias através da interferência na orientação editorial daquela televisão.


– o controlo do jornal Público para, desse modo, se proceder ao controlo das notícias publicadas com interferência na orientação editorial daquele jornal.


(...) Resultam ainda fortes indícios de que as pessoas envolvidas no plano tentaram condicionar a actuação do senhor presidente da República, procurando evitar que o mesmo fizesse uma apreciação crítica do negócio.


Estes factos poderão, em abstracto, integrar a comissão do crime de atentado contra o Estado de direito, previsto e punido pelo artigo 9º da Lei nº 34/87 de 16 de Julho, conjugado com o disposto nos artigos 2º e 38º da Constituição da República Portuguesa e 10º da Convenção Europeia dos Direitos do Homem.


O crime de atentado contra o Estado de direito é punível com pena de prisão superior, no seu máximo, a 3 anos.


As conversações a que o Ministério Público alude na promoção que antecede resultaram da intercepção de meios de comunicação utilizados por Paulo Penedos e Armando Vara, os quais, nos presentes autos, assumem a qualidade de suspeitos.


Considerando as pessoas envolvidas e o secretismo que rodeia toda a sua actuação, bem como o facto de a actividade suspeita ser desenvolvida em grande medida comrecurso a conversas telefónicas, afigura-se-nos que as intercepções em causa são essenciais à prova do crime previsto no artigo 9º da lei nº 34/87 de 16 de Julho, uma vez que permitirão perceber as verdadeiras motivações que estão na base dos referidos negócios.


Pelo exposto, em conformidade com o preceituado nos artigos 187º, nº 1-alínea a), 4-alínea a), 7 e 8 do Código de Processo Penal, autorizo a extracção de cópia da totalidade das gravações relativas aos alvos, dos correspondentes relatórios e dos despachos judiciais que fundamentaram as intercepções – autorização, manutenção e cessação – e sua validação.


NOTAS


BALSEMÃO: TESTEMUNHA


Apesar de se bater pela liberdade deexpressão e de ser testemunha de Moura Guedes contra Sócrates, o presidente da SIC não quis comentar este caso


EX-MINISTROS: EM SILÊNCIO


O ex-ministro da Justiça Alberto Costae o deputado socialista Vera Jardimrecusaram comentar o 'esquema'revelado pelas escutas do ‘Face Oculta’


PRISA: MANUEL POLANCO


O ‘CM’ contactou os responsáveis da Prisa Manuel Polanco (que se reuniu com Rui Pedro Soares) e José Luís Cebrián, mas ninguém respondeu aos e-mails


JOSÉ LELLO: DEPUTADO PS


Para o socialista, a divulgação das escutas 'é uma coisa horrível' e uma forma de tentar condicionar o Governo. 'Nem assim nos vão desmotivar'


ERC: AZEREDO LOPES 


Azeredo Lopes, presidente da Entidade Reguladora para a Comunicação Social, recusa comentar o que revelam os despachos do processo ‘Face Oculta’

No Sol...








































































Vara diz que já ouviu dizer que ela disse que Sócrates mentiu, ao dizer que não sabia de nada. Comentam que «não se dizia uma coisa dessas». Vara diz que«ninguém acredita que não soubesse», diria antes que «foi um erro trágico», «ele tinha de ter dito que não foi oficialmente informado, mas tinha conhecimento disso». Termina a dizer que as cisas vão correr mal e Lopes Barreira responde que não tem a mínima dúvida. No dia seguinte, 25, Cavaco Silva desafia publicamente a PT a esclarecer o que se passa. Zeinal Bava, presidente executivo da PT, vai àRTP dizer que não havia negócio nenhum, apenas uma disponibilidade de ambas as partes. Nos bastidores discute-se: avança-se ou não se avança. Até que Sócrates anuncia que, se a PT prosseguir, o Estado usará a golden share para vetar o negócio.