Tuesday, January 4, 2011

Se calhar começávamos assim:

Tão ladrão é quem vai à horta como quem fica à porta. Nenhum deles é ladrão enquanto der para todos, mas a partir do momento em que começa a correr mal, a coisa complica-se. Passam a ser ladrões apenas porque começam a dar com a língua nos dentes. Foi o que se passou (ou foi passando) no BPN, com o beneplácito de todas as entidades reguladoras, sempre na esperança de que os mercados se auto-regulassem. Etc etc, deu na merda que deu, que inclui gestão danosa e acusações de crimes diversos. Perante isto, aparece um candidato presidencial com uma coisa assim a modos que mal explicada relacionada com o tópico. E a coisa arrisca-se a ser o assunto principal da porcaria das eleições. E a grandessíssima questão, aquela que todos se entreteem a dissecar é, "qual o grau de culpa e envolvimento do candidato Cavaco Silva no BPN"?
Queria deixar aqui explicadinho para ver se acabamos com isto e a discutir coisas sérias: se Cavaco Silva pagou os impostos que devia, se fez o negócio com um contrato válido e legítimo à luz da lei, nenhuma culpa ou responsabilidade lhe poderá ser imputada. Está "limpo". Cavaco Silva, o Cidadão, está limpo. Cavaco Silva, o candidato presidencial NÃO. E passo a explicar porquê: Se é para ser a primeira figura do Estado do MEU País, tem que ser muito mais do que exemplarmente honesto - a expressão apenas quer dizer que se pode ser um extorsionário filho da puta dentro da lei - e não deixando de ser filho da puta, enquanto se estiver dentro da lei não se pode ser considerado filho da puta. Se é para ser a primeira figura do Estado do MEU País, tem que justificar aquilo que já fez e o que nunca fez e o porquê de o ter ou não feito. Se é para ser a primeira figura do Estado do MEU País, tem que me mostrar que é um EXCELENTE economista, já que reserva para si a utilização do superlativo sem contudo ter feito nada do que poderia ou deveria ter feito - se assim fosse, não estaríamos agora na situação que estamos.
Se é para ser a primeira figura do Estado do MEU País tem que ME provar que não foi Juíz em causa própria. Porque sendo um TÃO BOM economista TINHA forçosamente que saber que 150% de lucro EM DOIS ANOS ou era droga, ou armas, ou putas ou outra merda do género. Um TÃO bom economista TINHA O DEVER de o saber. Ponto. Mais. Sabendo-o - porque tinha que o saber - INQUINOU de vez o dever de imparcialidade com que deveria ter fundamentado a decisão de permitir a nacionalização do BPN. Porque, como excelente economista que seguramente é, TINHA o dever de o saber. Se não quis saber é outra coisa - mas por isso mesmo é que somos dez milhões e só um é que é o Presidente da República. 


Ironias: O candidato Manuel Alegre, que deve ter o seu cacifozinho da rádio Argel cheio de esqueletos é que vem - em nome da puta da ética Republicana pedir explicações ao candidato Cavaco Silva. O candidato Manuel Alegre que nunca fez ponta del corno na vida de coisa prestável é que vem pedir explicações. Isto é mesmo bonito. Não gastem o nome à ética Republicana, nem fazem puto de idéia do que isso seja.
Outra ironia: Vítor Constâncio (também conhecido como "aquele que nunca dorme"), após um desempenho memorável como Big Boss no Banco de Portugal - entidade reguladora cujo nível de alerta máximo deverá estar ao nível do de um urso polar a meio da hibernação - foi exportado para a Europa. Nem tudo é mau. Pode ser que volte já no mesmo estado em que levou para lá o cérebro: embalsamado.

1 comment:

bluesy traveler said...

"entidade reguladora cujo nível de alerta máximo deverá estar ao nível do de um urso polar a meio da hibernação "

ahahahahah :D

Dá-lhes com alma!