Friday, June 24, 2011

O que a Direita não diz e a Esquerda tem medo de dizer:

Alterações à legislação laboral. Facilitar os despedimentos individuais. Eu pergunto-me, para quê? É possível despedir um trabalhador por incompetência? Sim. É possível despedir um trabalhador por não cumprir com as suas funções e obrigações? Sim. Então para quê as alterações??? Porque é difícli fazê-lo???


Cenário: um trabalhador/funcionário/colaborador numa empresa Portuguesa. Produtividade, baixa ou relativamente baixa. O mesmo trabalhador muda-se para uma outra empresa - por exemplo, uma Auto Europa, para desempenhar exactamente as mesmas funções. Produtividade? Das mais elevadas do mundo. 
Questão: o que é que mudou? 
Resposta: tudo na hierarquia acima desse trabalhador/funcionário/colaborador.
Ou seja, a baixa produtividade do cenário inicial é, acima de tudo, resultado da incompetência das estruturas hierárquicas e da organização das empresas Portuguesas, empresas essas que estão a abarrotar de incompetentes em cargos de chefia/gestão (de topo ou intermédias).
A minha pergunta é: consegue-se "demitir" uma pessoa de uma determinada função? Sim. Consegue-se retirar-lhe as regalias inerentes ao desempenho dessa função? Não. Porque de um modo ou de outro o sistema permite que sejam englobadas numa espécie de retribuição-base que não pode (aparentemente) ser "mexida".
Resultado: quando o "Sr. Director X não consegue "carburar" na área 1, muda-se o dito-cujo para a área 2, sendo substituído nas funções por uma outra alminha vinda da área 3 (onde também não "desenvolveu" como devia...
Ou seja, parece-me a mim que o fardo de inoperância da nossa estrutura produtiva passa acima de tudo por termos que manter os monos onde estão, porque pelo menos estão a desempenhar funções ao nível do custo que têm (funciona mais ou menos assim).


Eu diria que é muitíssimo mais realista facilitar a perda de regalias para os incompetentes do que a perda de emprego para todos os outros. Este é o grande problema dos "direitos adquiridos" - que afinal de contas não são direito nenhum, são um confisco do direito alheio.

No comments: