Wednesday, June 22, 2011

Outra perspectiva das coisas

Apesar de muitas vezes ter pensado o contrário - e inclusivamente disse-o e defendi-o perante (e contra a opinião de) terceiros, começo a perguntar-me se os Portugueses não terão um bom-senso intrínseco na sua relação com algumas facetas do dia-a-dia. Quando trocam um acto eleitoral por uma ida à praia ou às compras, quando trocam um noticiário pela quinquagésima-cagalhagésima novela da TVI, ou quando decidem apenas ignorar o mundo que lhes é encafuado à força em casa pela boca (e pela imagem) de certos "fazedores de opinião". E digo isto por duas razões: é que na realidade há um mundo "lá fora" à nossa espera, e a materialização da máxima "pensar global, agir local" começa mesmo dentro das nossas casas, com os nossos, com os que nos são próximos, com aqueles que escolhemos, e dilui-se pelos diversos graus de vizinhança, parentesco e pelas afinidades que descobrimos com as pessoas com quem nos vamos cruzando ao longo da vida. Efectivamente, há coisas muito importantes na vida. 


E o resto, não é importante? É claro que sim. Mas é-o apenas de acordo com aquilo que é. Ou seja, o acto de Governar um País é importante. É efectivamente importantíssimo, mas quando quem o faz não lhe dá o devido valor ou não sabe estar à altura da responsabilidade, aplica-se a máxima "quando os que mandam perdem a vergonha, os que obedecem perdem o respeito". E ignorar é apenas uma maneira sensata de o demonstrar, sendo que a partir daí há todo um conjunto de cambiantes de violência e agressividade possíveis. Os Portugueses demitem-se, ignorando. Afinal, olhos não vêem, coração não sente.


E apesar disso, é aceitável? Não, porque na realidade constitui uma demissão generalizada dos deveres de Cidadania - é uma coisa que muito poucas pessoas querem perceber, a Cidadania em si é um direito singular que acarreta todo um conjunto de deveres - e não o contrário. E sim, é necessário proceder a umas quantas mudanças.


E porque se proporciona, acerca do novo governo: não é possível falar do novo governo por uma questão de bom senso. No entanto o que poderia ser dito acerca do que já se disse do novo governo dava para escrever um tratado de arqueologia socio-política contemporânea. Porque apesar de não ser de todo possível tecer quaisquer considerações lógicas e legítimas, há uma legião de tudólogos incasáveis que não se inibem de fazer futurologia sobre o assunto. Mesmo depois de lançarem para o ar a célebre frase-descarto-me-já-se-não-for-assim que reza que "os governos são como os melões, só sabemos se são bons depois de os abrirmos". Maravilha.
Se calhar falávamos do governo cessante. E dos anteriores. E tentávamos perceber porque é que chegámos aqui. Já sabemos? E que tal falarmos de criar mecanismos de evitarmos cair na esparrela uma quarta vez? Pois, dá mais trabalho, exige um raciocínio um pouco mais exacto do que o "Eu acho que o novo ministro blá blá blá é um"... 
Porra pá, já chega. Usem o cérebro. TODO.


E uma outra questão que não me parece dispicienda, prende-se com a nossa periferia e com a nossa periferização. A nossa periferia está escarrapachada nos boletins meteorológicos dos noticiários que se transmitem por essa Europa fora: Dublin, Moscovo, Ankara, Paris, Atenas, Londres, Amsterdão (que nem é capital), Madrid, etc etc etc. Lisboa, nicles. Portugal não existe no mapa mental da Europa. E nós pagamos-lhes na mesma moeda: passamos o dia a repetir as mesmas notícias requentadas cá do burgo, o boletim de transito que começa na A2-Sul e acaba no IC19 - salvo acidente grave numa estrada secundária, que é qualquer uma das que estão a mais de 30 quilómetros do Marquês de Pombal, internacionalizamos no futebol e voltamos ao rectângulo para as curiosidades locais - feiras e piqueniques na Av. da Liberdade. Lá de fora, só os mínimos olímpicos, porque a malta não está interessada. É a chamada globalização informativa selectiva.

No comments: