Thursday, September 22, 2011

A invenção da roda

O tempo não me tem sobrado para vir aqui, mas não posso deixar passar em branco mais uma pretensa alteração ao código laboral que é de tal monta que é desta que o País vai descolar.
Face ao que se anuncia, e no sentido de evitar a contestação à coisa, não queria deixar de partilhar aqui o meu modesto contributo. Em vez de andarmos a inventar, a minha sugestão é que apliquemos modelos de reconhecido sucesso. E já que é sempre para esse referencial que apontamos, eu sugiro que adoptemos o modelo Alemão, e por esta ordem:
Ano 0 - legislação laboral e toda a que for aplicável aos sindicatos, movimentos sindicais e afins (ah pois, que isto de marcar greves a custo zero é uma bela cagada que sai sempre do cabedal dos mesmos);
Ano 1 - legislação aplicável às empresas, confederações patronais e afins (exactamente isto);
Ano2 - (já com a produtividade em alta), aplicação do modelo fiscal Alemão (tributação sobre os rendimentos do trabalho, rendimentos das empresas, etc etc etc). 

A todos os que estiverem a pensar "este gajo é maluco, são realidades diferentes, isto é impossível", bem... Então não mexam no que querem mexer.
Porque: eu só faço horas extraordinárias quando tem que ser, a grande maioria delas já "graciosamente", e como tal não tenho que trabalhar mais meia-hora por dia gratuitamente porque já o faço (tal como a grande maioria das pessoas que conheço); os sábados, domingos e feriados em que tenho que malhar com o cabedal no trabalho é porque tem mesmo que ser - e para tal prescindo do meu descanso e do tempo de qualidade que passo (poderia) passar com os meus; isso é muito importante, não tem preço, e não se troca por coisa nenhuma. Se a idéia é baixarem o preço das horas extra, tenho uma sugestão melhor: proíbam o trabalho extrardinário. Isso obriga as empresas a contratar mais pessoas, logo diminui o desemprego e as contribuições sociais - parece-me uma medida válida no actual contexto, não? E dado que estas empresas ficariam isentas da TSU durante um ano, não seria um ónus muito grande para elas.

A medida da minha produtividade é uma coisa assim a modos complicada. Imagine-se (por absurdo) que tenho uma cadeia hierárquica a modos que... incomum: algumas pessoas razoavelmente competentes entremeadas com outras que estão muito preocupadas com a troca do carro e o iPad novo que levam para as reuniões (para impressionar). Decisões contraditórias, puxa daqui, empurra dali, empastela... coisas atípicas em Portugal, certo? Bem, de que modo se vai quantificar a minha produtividade? Gostaria de um pouco de transparência.

Relativamente ao despedimento com critérios dúbios, só tenho uma solução para isso: um taco de baseball. Se algum dia for o caso, tenciono aplicá-la. Como alguém disse, a morte nivela os homens. 

Por outro lado... pergunto-me se não estaremos próximos do 25 de Abril que não chegou a acontecer. Aquele em que a malta responsável é pendurada nos postes...

No comments: