Tuesday, August 27, 2013

Da importância do sexo:

Pergunta: até que ponto o sexo é importante?
Resposta: até ao ponto em que é a única maneira de garantir a continuidade da espécie. E nesse ponto em concreto, consegue ser tão ou mais forte do que a sobrevivência individual.

Friday, August 23, 2013

Novo código da Estrada

No Lisbon Cycle Chic, uma entrada para a análise Jurídica do novo Código da Estrada - Comentário às alterações das normas respeitantes à bicicleta, um texto muitíssimo bom da autoria do Pedro Galrinho Portela e, do ponto de vista de um leigo, aparentemente bastante bem fundamentado e cuja leitura recomendo vivamente a todos. É uma ajuda preciosa à compreensão correcta da abrangência de cada uma das normas, a razão que presidiu à inclusão (ou não) de outras normas e as zonas cinzentas em que persistiu alguma ambiguidade (para melhoria futura, espera-se).
O que me fica da leitura deste texto - e de outros, com comentários e opiniões mais ou menos concordantes com o sentido destas alterações - é consistente com a minha experiência do dia-a-dia. Sou peão, utente de transportes públicos, automobilista ou motociclista e, sempre que posso, ciclista; o que sinto em cada um destes "papéis" é, acima de tudo, que o usufruto de um bem que temos que partilhar - as vias de comunicação - se faz quase sempre com uma postura de grande intolerância e desprezo pelos princípios da boa convivência cívica - e das normas instituídas. Não de partilha, mas de conquista do espaço individual, e é um erro em que todas as partes tendem a incorrer.
Relativamente aos princípios da responsabilidade (ou responsabilização) civil de condutores de veículos automóveis e às comparações com outras realidades de Países que estão alguns anos à nossa frente na diversificação de infraestruturas de comunicações (nomeadamente a Holanda) a questão afigura-se-me razoavelmente simples, e deriva em grande medida da necessidade da partilha do espaço público em zonas de coexistência de tráfego (ruas estreitas em zonas antigas das cidades, em que não seja possível reservar faixas para ciclovia). Em caso de um sinistro que envolva um automóvel e uma bicicleta, a responsabilidade NÃO é automaticamente do condutor do veículo automóvel; o princípio é, efectivamente, um pouco mais refinado e abrangente do que isso, e será algo semelhante a isto: cabe ao condutor do veículo coma capacidade de causar mais danos o ónus da prova de que fez tudo ao seu alcance para evitar o acidente. Aplica-se a camiões, carros, motociclos, ciclomotores, bicicletas e peões, se não estou em erro exactamente por esta ordem relativamente a todos os outros. É um princípio do ordenamento da partilha do espaço público em condições da maior igualdade possível por todos aqueles que o fazem. Ou seja, não preconiza direitos especiais a nenhum dos grupos de utilizadores do espaço público, mas sim o direito à utilização do mesmo por todos em iguais condições de segurança. Trata-se mais da imposição do dever do cuidado a todas as partes.
Parece-me contudo óbvia a necessidade de uma maior fiscalização por parte das autoridades. Muitos dos comportamentos irresponsáveis a que assistimos diariamente nas nossas estradas devem-se, acima de tudo, à tolerância social com comportamentos de risco ao volante - consumo de álcool, utilização de telemóveis e excesso de velocidade - e também à falta de fiscalização e à suavidade das penas aplicadas, factores que, quando conjugados, criam a imagem de um estatuto de impunidade de facto para com este tipo de comportamentos.

Wednesday, August 21, 2013

Armas Silenciosas Para Guerras Tranquilas

Manual Introdutório de Programação

Manual Técnico de Pesquisa Operacional

TW-SW7905.1


O seguinte documento, datado de Maio de 1979, foi descoberto em 7 de Julho de 1986, numa copiadora IBM que tinha sido comprada num leilão.

TOP SECRET


Armas Silenciosas para Guerras Tranquilas


Manual Técnico de Pesquisa Operacional

TW-SW7905.1


Bem-vindo a Bordo 

Esta publicação marca o 25º aniversário da Terceira Guerra Mundial, chamado de "Guerra Silenciosa", a ser realizada utilizando armas biológicas subjectivas, lutando com "armas silenciosas". 
Este livro contém uma descrição introdutória desta guerra, das suas estratégias e das suas armas.

Maio 1979 # 74-1120

Segurança

É evidentemente impossível discutir engenharia social ou a automação de uma sociedade, ou seja, a engenharia de sistemas de automação social (armas silenciosas) numa escala nacional ou mundial, sem implicar extensos objectivos de controlo social e destruição da vida humana, ou seja, escravidão e genocídio. 

Este manual é em si uma declaração de intenções análoga. Deve ser impossibilitado o escrutínio público desta escrita. Caso contrário, pode ser tecnicamente reconhecida como uma declaração formal de guerra doméstica. Além disso, sempre que qualquer pessoa ou grupo de pessoas em situação de grande poder e sem conhecimento e consentimento da opinião pública, utiliza esses conhecimentos e metodologias para a conquista económica - é preciso entender que existe um estado de guerra interna entre essa pessoa ou grupo das pessoas e o público. 

A solução dos problemas de hoje exige uma abordagem que é brutalmente cândido, sem preocupações com religiosos, morais ou valores culturais. 

Você foi qualificado para esse projecto devido à sua capacidade de olhar para a sociedade humana com objectividade fria, e ainda analisar e discutir as suas observações e conclusões com outros de capacidade intelectual semelhante, sem a perda da discrição ou humildade. Essas virtudes são exercidas no seu próprio interesse. Não se desvie deles. 

Introdução Histórica

A tecnologia das Armas Silenciosas evoluiu de Pesquisa Operacional (PO), uma metodologia estratégica e táctica desenvolvida no âmbito da Administração Militar na Inglaterra durante a Segunda Guerra Mundial. O propósito original da Pesquisa Operacional foi estudar os problemas estratégicos e tácticos de defesa aérea e terrestre com o objectivo de uma utilização eficaz dos recursos militares limitados contra os inimigos estrangeiros (ou seja, logística). 

Isto foi rapidamente reconhecido por aqueles em posições de poder que os mesmos métodos podiam ser úteis para controlar totalmente a sociedade. Mas eram necessárias melhores ferramentas.

A engenharia social (a análise e automatização de uma sociedade) exige que a correlação de grandes quantidades de informação económica em constante evolução (dados), e então era necessário um sistema informatizado de processamento de dados a alta velocidade para assim ganhar à sociedade e poder predizer quando esta poderia capitular.

Os computadores de relé eram lentos, mas o computador eletrónico, inventado em 1946 por J. Presper Eckert e John W. Mauchly, preencheu a necessidade.

O avanço seguinte foi o desenvolvimento do método simplex de programação linear em 1947 pelo matemático George B. Dantzig. 

Então, em 1948, o transístor, inventado por J. Bardeen, WH Brattain e W. Shockley, prometeu uma grande expansão do sector de informática, reduzindo o espaço e as necessidades de energia. 

Com estas três invenções sob a sua direcção, aqueles em posições de poder suspeitaram fortemente de que lhes seria possível controlar o mundo inteiro com o premir de um botão. 

Imediatamente, a Fundação Rockefeller patrocinou o projecto financiando por um período de quatro anos a Universidade de Harvard, fundando o Harvard Economic Research Project para o estudo da estrutura da economia americana. A Força Aérea dos Estados Unidos juntou-se em 1949, um ano depois.

Em 1952, terminado o período de projecto, teve lugar uma reunião de alto nível da Elite para determinar a próxima fase de operações de investigação social. O projecto Harvard tinha sido muito frutífero, como é confirmado pela publicação de alguns de seus resultados em 1953, sugerindo a viabilidade engenharia económica (social). (Studies in the Structure of the American Economy - copyright 1953 by Wassily Leontief, International Science Press Inc., White Plains, New York).

Projectado na última metade da década de 1940, a nova máquina de Guerra Tranquila estava, por assim dizer, montado em 1954 em brilhante hardware dourado para demonstração. 

Com a descoberta da fusão nuclear em 1954, a promessa de libertar fontes ilimitadas de energia usando a fusão nuclear do hidrogénio pesado na água do mar e a consequente disponibilidade de poder social ilimitado era uma possibilidade à distância de apenas algumas décadas. 

A combinação era irresistível. 

A Guerra Tranquila foi discretamente declarada pela Elite Internacional, numa reunião realizada em 1954. 

Embora o sistema de armas silenciosas quase foi exposto 13 anos depois, a evolução do novo sistema de armas nunca sofreu qualquer revés importante. 

Este volume marca o 25º aniversário do início da Guerra Tranquila. Esta guerra doméstica já teve muitas vitórias em muitas frentes em todo o mundo. 


Introdução Política

Em 1954 foi constatado por aqueles que se encontravam em posições de autoridade que era apenas uma questão de tempo, apenas algumas décadas, antes de o público ordinário ser capaz de agarrar e tomar o poder, e antes de os detalhes da nova tecnologia de armas silenciosas fosse acessível para uma utopia pública tal como já o eram para uma utopia privada.

A questão de maior preocupação, a de dominação, girava em torno do tema das ciências da energia. 


Energia

A energia é reconhecida como a chave para toda a actividade na terra. As ciências da naturezas são o estudo das fontes e do controlo da energia natural e as ciências sociais, teoricamente expressa em economia, é o estudo das fontes de energia e controle social. Ambos são sistemas de contabilidade: matemática. Portanto, a matemática é a ciência primária da energia. E o escriturário pode ser rei se o público puder ser mantido em ignorância sobre a metodologia da contabilidade. 

Qualquer ciência é apenas um meio para um fim. O meio é o conhecimento. O fim é o controlo. Para além disto resta apenas uma questão: Quem será o beneficiário? 

Em 1954, foi este o tema de maior preocupação. Embora as chamadas "questões morais" terem sido levantadas, tendo em conta a lei da selecção natural, foi acordado que uma nação ou o mundo de pessoas que não usem a sua inteligência não serão melhores do que os animais que não têm inteligência. Essas pessoas são bestas de carga e bifes sobre a mesa por própria escolha e consentimento. 

Por conseguinte, no interesse da futura ordem mundial, paz e tranquilidade, foi decidido em privado avançar para uma guerra silenciosa contra o público americano com o objectivo final de mudança permanente da energia social e natural (riqueza) da irresponsabilidade e indisciplina de muitos para as mãos dos poucos auto-disciplinados, responsáveis e dignos.

Para implementar esse objectivo, foi necessário criar, proteger e aplicar novas armas que, como se viu, eram uma classe de armas tão subtis e sofisticadas no seu princípio de funcionamento e aparência, que ganharam o nome de "armas silenciosas". 

Em conclusão, o objectivo da investigação económica, tal como conduzida pelos magnatas do capital (bancos) e as indústrias de mercadorias e serviços, é o estabelecimento de uma economia que é totalmente previsível e manipulável. 

A fim de alcançar uma economia totalmente previsível, os elementos da classe mais baixa da sociedade devem ser mantidos sob o controle total, ou seja, devem ser domesticados, treinados, e mantidos baixo jugo e com tarefas sociais de longa duração desde muito tenra idade, antes mesmo de terem uma oportunidade para questionar a adequação da sua condição. Para atingir tal conformidade, a unidade-família da classe mais baixa deve ser desintegrada por um processo de crescente preocupação dos pais e do estabelecimento de creches governamentais para as crianças órfãs ocupacionais. 

A qualidade da educação dada às classes inferiores deve ser da pior qualidade, de modo a que exista um fosso de ignorância tal que isole a classe inferior da classe superior, de forma que esta seja e permaneça incompreensível para os de classe inferior. Com esta desvantagem inicial, mesmo indivíduos brilhantes da classe baixa terão pouca ou nenhuma possibilidade de desvincular-se do lote a que pertence. Esta forma de escravidão é essencial para a classe alta dominante manter uma certa ordem social, paz e tranquilidade.


Introdução Descritiva das Armas Silenciosas

Segundo os seus criadores, tudo o que se espera de uma arma comum é esperado de uma arma silenciosa, mas apenas na sua própria maneira de funcionamento. 

Dispara situações, em vez de balas, movidos por processamento de dados, em vez de reacção química (explosão), originários de bits de dados, em vez de grãos de pólvora, a partir de um computador, em vez de uma arma, operado por um programador de computador, em vez de um atirador, sob as ordens de um magnata banqueiro, em vez de um general militar. 

Não faz barulho explosivo óbvio, não causa lesões físicas ou mentais aparentes, e não interfere de forma óbvia com a vida social quotidiana de ninguém. 

No entanto, faz um barulho "inconfundível", causa danos físicos e mentais inconfundíveis, e sem dúvida interfere na vida social quotidiana, ou seja, é inconfundível para o observador treinado, para quem sabe o que procurar. 

O público não consegue compreender esta arma, e portanto, não pode acreditar que está a ser atacado e subjugado por uma arma. 

O público pode sentir instintivamente que algo está errado, mas isso é devido à natureza técnica das armas silenciosas, e assim não pode expressar os seus sentimentos de uma forma racional, ou lidar o problema com inteligência. Portanto, não sabe como pedir ajuda, e não sabe como se associar a outros para se defender destas armas. 

Quando uma arma silenciosa é aplicada gradualmente, o público ajusta-se/adapta-se à sua presença e aprende a tolerar a intrusão nas suas vidas até que a pressão (psicológica via económica) se torna grande demais e sucumbe. 

Portanto, a arma silenciosa é um tipo de guerra biológica. Ataca a vitalidade, opções e mobilidade dos indivíduos de uma sociedade, conhecendo, compreendendo, manipulando e atacando as fontes de energia natural e social, o seu estado mental, físico, emocional e debilidades. 


Introdução teórica

Dêem-me o controle sobre a moeda de um país, e não me importo com quem faz suas leis.
Mayer Amschel Rothschild (1743 - 1812)

As armas silenciosas de hoje são um desenvolvimento de uma ideia simples descoberta pelo citado Mayer Amschel Rothschild. O Sr. Rothschild descobriu o componente passivo que faltava na teoria económica conhecido como indutância económica. Ele, é claro, não pensou a sua descoberta nos termos deste século 20, e com certeza, a análise matemática teve que esperar pela Segunda Revolução Industrial, pelo surgimento da mecânica teórica, pela electrónica teórica, e finalmente, pela invenção do computador electrónico e assim ser efectivamente aplicada no controle da economia mundial.


Conceitos Gerais de Energia

No estudo de sistemas de energia aparecem sempre três conceitos elementares. Estas são a energia potencial, a energia cinética e a dissipação de energia. E, correspondendo a esses conceitos, são idealizados três componentes passivos homólogos essencialmente físicos puros: 

  1. Na ciência da física mecânica, o fenómeno da energia potencial está associado a uma propriedade física chamada elasticidade ou rigidez, e pode ser representado por uma mola esticada. Em Electrónica, a energia potencial é armazenada num condensador, em vez de uma mola. A esta propriedade chama-se capacitância, em vez de elasticidade ou rigidez. 
  2. Física Mecânica, o fenómeno da energia cinética está associada a uma propriedade física chamada inércia ou massa, e pode ser representado por uma massa ou um volante em movimento. Na Electrónica, energia cinética é armazenada num indutor (em um campo magnético) em vez de uma massa. A esta propriedade chama-se indutância, em vez da inércia. 
  3. Na Física Mecânica, o fenómeno de dissipação de energia está associado a uma propriedade física chamada de atrito ou resistência, e pode ser representado por um amortecedor ou outro dispositivo que converta a energia em calor. Na Electrónica, dissipação de energia é feita por um elemento chamado resistor ou condutor. O termo "resistor" é o geralmente é usado para descrever um dispositivo ideal (por exemplo, um fio) utilizado para transmitir energia electrónica de forma eficiente a partir de um local para outro. A propriedade de uma resistência ou condutor é medido como resistência ou reciprocamente como condutância.
Na economia destes três conceitos de energia estão associados com: 
  1. Capacidade Económica - Capital (dinheiro, stock/inventário, os investimentos em imóveis e bens duráveis, etc)
  2. Condutância Económica - Mercadorias (coeficientes de escoamento da produção)
  3. Indutância Económica - Serviços (a influência da população sobre a produção da indústria)
Toda a teoria matemática desenvolvida no estudo de um sistema de energia (por exemplo, mecânica, electrónica, etc) pode ser imediatamente aplicado no estudo de qualquer outro sistema de energia (por exemplo, economia). 


Energia: o Descobrimento do Sr. Rothschild

O que o Sr. Rothschild descobriu foi o princípio básico do poder, influência e controle sobre as pessoas quando aplicado à economia. Este princípio é "se assume a aparência de poder, as pessoas rapidamente lhe dão esse poder". 
O Sr. Rothschild descobriu que contas de empréstimo em moeda ou depósito tinham a aparência necessária de energia que poderia ser usado para induzir as pessoas (indutância, com pessoas que corresponde a um campo magnético) para entregar a sua riqueza real em troca de uma promessa de maior riqueza (em vez de uma compensação de real). Colocava-se a garantia real em troca de um empréstimo de notas promissórias. O Sr. Rothschild descobriu que ele poderia emitir mais notas promissórias do que aquelas sobre as quais tinha apoio real, desde que ele tivesse o stock de ouro de alguém como persuasor para mostrar aos seus clientes. 
Mr. Rothschild emprestava as suas notas promissórias tanto a indivíduos como a governos. Isto criava excesso de confiança. Então tornava o dinheiro escasso, apertava o controlo ao sistema, e recolhia a garantia através da obrigação de contratos. O ciclo então repetia-se. Estas pressões podiam ser utilizadas para iniciar uma guerra. Então ele iria controlar a disponibilidade de moeda para determinar quem iria ganhar a guerra. O governo que concordasse em lhe dar o controlo do seu sistema económico teria seu apoio. 
Cobrança de dívidas era garantida pela ajuda económica ao inimigo do devedor. O lucro obtido com esta metodologia económica fazia Mr. Rothschild ainda mais capaz de expandir sua riqueza. Ele descobriu que a ganância pública permitiria a moeda ser impressa por ordem do governo para além do limite (inflação) apoiado em metais preciosos ou de produção de bens e serviços. 


Capital Aparente como "Papel" Indutor

Nesta estrutura, o crédito, apresentado como um elemento puro chamado "moeda", tem a aparência de capital, mas é, com efeito capital negativo. Por isso, tem a aparência de serviço, mas é, na verdade, endividamento ou dívida. É, portanto, uma indutância económica, em vez de uma capacidade económica e, se não for equilibrada de nenhuma outra maneira, será equilibrada pela negação da população (guerra, genocídio). O total de bens e serviços representam o capital real chamado produto nacional bruto, e a moeda poderá ser impressa até esse nível e continuará ainda a representar capacidade económica, mas moeda impressa para além deste nível é subtrativa, que representa a introdução de indutância económica, e constitui notas de endividamento. 
A guerra é, portanto, o equilíbrio do sistema, matando os verdadeiros credores (o público que temos ensinado a trocar valor real por moeda inflacionada) e cair sobre o que resta dos recursos da natureza e da regeneração desses recursos. 
O Sr. Rothschild descobriu que a moeda lhe deu o poder de reorganizar a estrutura económica para sua própria vantagem, aplicar indutância económica nessas posições económicas visando promover a maior oscilação e instabilidade económica. 
A chave final para o controlo económico teve de esperar até que houvesse um número suficiente de dados e equipamentos de computação de alta velocidade de forma a manter estreita vigilância sobre as oscilações económicas criadas pelo choque do preço e de excesso de energia em créditos de papel - indutância de papel / inflação. 


Descobrimento Sensacional

O campo de aviação produziu a maior evolução em engenharia económica através da teoria matemática dos testes de choque. Neste processo, um projéctil é disparado a partir de uma estrutura no terreno e o impulso do recuo é monitorizado por transdutores de vibração ligados à estrutura e a de gravadores de gráficos. 
Ao estudar os ecos ou reflexos do impulso de recuo na estrutura, é possível descobrir as vibrações críticas na estrutura, quer sejam vibrações do motor, vibrações eólicas das asas, ou uma combinação das duas, pode reforçar resultando numa ressonante auto-destruição da estrutura do avião em voo como um avião. Do ponto de vista da engenharia, isto significa que os pontos fortes e fracos da estrutura da célula em termos de energia vibracional podem ser descobertos e manipulados.


Aplicação na Economia

Para utilizar este método de teste de choque de estruturas em engenharia económica, os preços das mercadorias são alterados (realiza-se o choque), e a reacção do público consumidor é monitorizada. Os ecos resultantes do choque económico são interpretados por teoricamente por computadores e a estrutura psico-económica da economia é assim descoberta. É por este processo quediferenciais parciais e matrizes de diferença são descobertas que definem o agregado familiar e torna possível a sua avaliação como um sector económico (estrutura de consumidor dissipativa). 
Então a resposta da família a choques futuros pode ser prevista e manipulada, e a sociedade torna-se um animal bem regulado com as suas rédeas, sob o controlo de um sofisticado sistema de contabilidade de energia social regulado por computador. 
Eventualmente, cada elemento individual da estrutura está sob o controle de computador através de um conhecimento das preferências pessoais, sendo esse conhecimento garantido pela associação computorizada de preferências de consumidor (código de produto universal, UPC; preços em códigos de barras preço nos pacotes) com consumidores identificados (identificado via associação com o uso de um cartão de crédito e, posteriormente, um número tatuado permanente no corpo mas invisível sob iluminação ambiente normal).


Sumário

Economia é apenas uma extensão social de um sistema de energia natural. Tem também os seus três componentes passivos. Devido à distribuição da riqueza, à falta de comunicação e à falta de dados, este campo tem sido o último campo de energia para o qual o conhecimento destas três componentes passivos tem sido desenvolvido. 
Como a energia é a chave para todas as actividades na face da terra, segue-se que para atingir uma situação de monopólio de energia, matérias-primas, bens e serviços, e estabelecer um sistema mundial de trabalho escravo, é necessário ter uma capacidade de primeira greve no campo da economia. A fim de manter a nossa posição, é necessário que tenhamos absolutamente o primeiro conhecimento da ciência de controle sobre todos os factores económicos e de uma primeira experiência em engenharia de economia mundial. 
Para alcançar tal soberania, devemos, pelo menos, conseguir um objectivo: a de que o público não vá fazer nem a conexão lógica ou matemática entre a economia e as ciências energéticos ou aprender a aplicar esses conhecimentos. 
Isso esta-se a tornar cada vez mais difícil de controlar porque mais e mais empresas estão a fazer exigências sobre seus programadores de computador para criar e aplicar modelos matemáticos para a gestão dessas empresas. 
É apenas uma questão de tempo antes que o novo tipo de programador privado/economista apanhará as implicações de longo alcance do trabalho iniciado em Harvard em 1948. A velocidade com que eles possam comunicar o seu aviso ao público, dependerá em grande medida de quanto eficazes temos vindo a ser a controlar os mass media, subvertendo a educação, e mantendo o público distraído com assuntos sem importância real. 


O Modelo Económico

A economia, como ciência social de energia tem como primeiro objectivo a descrição da forma complexa em que uma determinada unidade de recursos é usada para satisfazer alguma vontade económica. (Matriz de Leontief). Este primeiro objectivo, quando é estendido para obter o máximo de produtos de poucos ou limitados recursos, compreende o objectivo geral de logística militar e industrial conhecida como Investigação Operacional. (Consulte o método simplex de programação linear). 
Harvard Economic Research Project (1948 -) era uma extensão da II Guerra Mundial Operations Research. A sua finalidade era descobrir a ciência de controlar uma economia: inicialmente a economia americana e em seguida a economia mundial. Considerou-se que, com base matemática e dados suficientes, seria tão fácil de prever e controlar a evolução de uma economia como de prever e controlar a trajectória de um projéctil. Tem-se provado ser esse o caso. Além disso, a economia transformou-se num míssil teleguiado em direcção ao alvo. 
O objectivo imediato do projecto de Harvard foi a descoberta da estrutura económica, quais as forças que mudam essa estrutura, como o comportamento da estrutura pode ser previsto, e como pode ele ser manipulado. O que era necessário era um conhecimento bem organizado das estruturas matemáticas e inter-relações do investimento, produção, distribuição e consumo. 
Para fazer uma pequena história de tudo, descobriu-se que uma economia obedece às mesmas leis como a electricidade e toda a teoria matemática e prática, e que o conhecimento informático desenvolvido no campo electrónico podia ser directamente aplicado ao estudo da economia. Esta descoberta não foi declarada abertamente, e as suas implicações mais subtis foram e são mantidas em segredo muito bem guardado, por exemplo, que em um modelo económico, a vida humana é medida em dólares, e que a faísca eléctrica gerada quando se abre um interruptor conectado a um activo indutor é matematicamente análoga à deflagração de uma guerra. O maior obstáculo que os economistas teóricos enfrentaram foi a descrição exacta do agregado familiar como uma indústria. Este é um desafio, pois as compras dos consumidores são uma questão de escolha, que por sua vez é influenciado pela renda, preço e outros factores económicos. 
Este obstáculo foi absolvido em uma forma indirecta e estatisticamente aproximada a um teste de choque para determinar as características actuais, chamada corrente de coeficientes técnicos de uma casa industrial. 
Finalmente, porque os problemas em economia teórica podem ser traduzidos facilmente em problemas de electrónica teórica, e a solução convertida novamente, segue-se que apenas um livro de tradução e linguagem de definição de conceitos precisa ser escrito para a economia. O restante pode ser obtido a partir de obras-padrão de matemática e eletrónica. Isso faz a publicação de livros sobre economia avançada desnecessários, e simplifica bastante a segurança do projecto. 


Diagramas Industriais

Uma indústria ideal é definida como um dispositivo que recebe valores de outras indústrias em diversas formas e os converte num produto específico para venda e distribuição a outras indústrias. Tem várias entradas (input) e uma saída (output). O que o público normalmente pensa como uma indústria é na realidade um complexo industrial, onde várias indústrias sob um mesmo tecto produzem um ou mais produtos. 
Uma indústria ideal (com uma só saída) pode ser representada por um bloco com um circuito da seguinte forma:


Industria 'K'


O fluxo de produto da indústria #1 (oferta) para a indústria #2 (demanda) é denotado por I12. O fluxo total de indústria K é denotado por Ik (vendas, etc.) 
A rede de uma indústria com três componentes pode ser representado da seguinte forma:


Rede com 3 componentes

Cada nó é um símbolo de recepção e distribuição de fluxo. O nó #3 recebe da indústria #3 e distribui às indústrias #1#2 e #3. Se a indústria #3 fabrica cadeiras, em seguida, o fluxo que flui da indústria #3 de volta à indústria #3simplesmente indica que a indústria #3 utiliza parte da sua própria produção deste produto, por exemplo como móveis de escritório. Portanto, o fluxo pode ser resumido pelas equações:

equações


Três Classes Industriais

As Indústrias dividem-se em três categorias ou classes por tipo de saída: 
  1. Categoria #1 - Capital (recursos)
  2. Categoria #2 - Os bens (mercadorias ou utilização - dissipativas)
  3. Categoria #3 - Serviços (acção da população)
  • As indústrias de Categoria #1 existem em três níveis:

    1. Natureza - fontes de energia e matérias-primas.
    2. Governo - a impressão de moeda igual ao produto nacional bruto (PNB), e extensão da moeda em excesso do PNB.
    3. Bancos - empréstimo de dinheiro em troca de juros e extensão (inflação/falsificação) do valor económico através de contas de depósito de empréstimo.
  • As indústrias de Categoria #2 existem como produtores de bens tangíveis ou consumidor de produtos (dissipados). Esse tipo de atividade é geralmente reconhecido e rotulado pelo público como "indústria".
  • As indústrias de Categoria #3 são aqueles que têm o serviço e não um produto tangível como a sua saída (o seu output). A estas indústrias chamamos (1) as famílias, e (2) os governos. A sua saída (output) é a atividade humana de um tipo mecânico e sua base é a população.


Agregação

Todo o sistema económico pode ser representado por um modelo de indústria com três componentes se permite que os nomes das entradas (inputs) sejam (1) capital, (2) bens, e (3) serviços. O problema com esta representação é que ela não mostra as influências, por exemplo, da indústria têxtil na indústria de metais ferrosos. Isso ocorre porque então tanto a indústria têxtil como a indústria de metal ferroso estariam contidas dentro de uma classificação única chamada "indústria de bens" e por esse processo de combinar ou agregar estas duas indústrias sob um só bloco estas perderiam a sua individualidade económica. 


O Modelo E

Uma economia nacional é composta por fluxos simultâneos de produção, distribuição, consumo e investimento. Se a todos estes elementos, incluindo o trabalho e funções humanas, é atribuído um valor numérico em unidades de medida, como, por exemplo, 1939 dólares, então esse fluxo pode ainda ser representado por um fluxo de corrente num circuito eletrônico, e seu comportamento pode ser previsto e manipulado com uma precisão útil. 
Os três componentes ideais de energia passiva da electrónica, o capacitor, o resistor e o indutor correspondem aos três componentes ideais de energia passiva da economia chamados indústrias puras de capital, de bens e de serviços, respectivamente: 

  • A Capacitância Económica representa o armazenamento de capital, de uma forma ou de outra.
  • A Condutância Económica representa o nível de condutividade de materiais para a produção de bens.
  • A Indutância Económica representa a inércia de valor económico em movimento. Este é um fenómeno da população conhecido como serviços.


Indutância Económica

Um indutor elétrico (por exemplo, uma bobina) tem uma corrente elétrica como fenómeno primário e um campo magnético como fenómeno secundário (inércia). Correspondendo a isso, um indutor económico tem um fluxo de valor económico como fenómeno primário e um campo população como fenómeno do campo secundário de inércia. Quando o fluxo de valor económico (por exemplo, dinheiro) diminui, o campo população humana desmorona, a fim de manter o valor económico (dinheiro) que flui (caso extremo - a guerra). 
Essa inércia pública é resultado de hábitos de compra dos consumidores, esperado padrão de vida, etc, e é geralmente um fenómeno de auto-preservação. 


Factores Indutivos a Considerar

  1. População
  2. Magnitude das actividades económicas do governo
  3. O método de financiamento destas actividades do Governo (ver Princípio de Peter-Paul - A inflação da moeda).


Conversão (alguns exemplos)

  • Carga: coulombs -> dólares (1939).
  • Fluxo/Corrente: amperes (coulombs por segundo) -> o fluxo de dólares por ano.
  • Força motivadora: volts -> demanda de dólares (saída).
  • Condutância: amperes por volt -> fluxo de dólares por ano por demanda de dólar.
  • Capacidade: coulombs por volts; dólares devidos ao inventário/stock por demanda de dólares.


Relações de Fluxo de Tempo e Oscilações Auto-destrutivas

Uma indústria ideal pode ser simbolizada por via electrónica de várias maneiras. A maneira mais simples é a de representar uma demanda por uma tensão e uma fonte por uma corrente. Quando isso é feito, a relação entre os dois torna-se no que é chamado de admissão, o que pode resultar de três factores económicos: (1) previsão de fluxo (2), o fluxo actual, e (3) O fluxo de retrospectiva: 
  1. previsão de fluxo é o resultado de que a propriedade das entidades vivas que consiste em armazenar alimentos (energia) para serem consumidos num período de baixa energia (por exemplo, durante o inverno). É constituída por demandas feitas a um sistema económico durante esse período de baixa energia (inverno).
    Numa indústria de produção que toma várias formas, uma das quais é conhecida como stock ou inventário de produção. Na simbologia electrónica, essa demanda específica da indústria (a indústria de capital puro) é representada pela capacitância e o material ou recurso é representado por uma carga armazenada. Satisfação de uma demanda da indústria sofre um atraso devido ao efeito de carregamento das prioridades do inventário.
  2. fluxo actual idealmente não envolve qualquer atraso. É, por assim dizer, a entrada de hoje para a saída de hoje, um fluxo "mão para boca". Na simbologia electrónica, essa demanda específica da indústria (indústria segundo a nossa definição) é representado por uma condutância que é então uma simples válvula económica (um elemento dissipativo).
  3. fluxo de retrospectiva é conhecido como hábito ou inércia. Na eletrônica esse fenómeno é a característica de um indutor (análogo económico = uma indústria pura de serviços) no qual um fluxo de corrente (análogo económico = fluxo de dinheiro) cria um campo magnético (análogo económico = população activa humana) que, se a corrente (fluxo de dinheiro) começa a diminuir, colapsa (guerra) para manter a corrente (fluxo de dinheiro - a energia).
Outras grandes alternativas para a guerra como indutores económicos ou volantes económicas são um grande programa de bem-estar social, ou um enorme (mas frutífero) programa espacial. 
O problema com a estabilização do sistema económico é que existe muita demanda por conta da (1) cobiça exagerada e (2) população a mais. 
Isto cria indutância económica excessiva que só pode ser equilibrada com uma capacidade económica (recursos reais ou valor - por exemplo, de bens ou serviços). 
O programa de bem-estar social nada mais é do que um sistema de crédito equilibrado que cria uma indústria falsa de capital para dar às pessoas não produtivas um tecto sobre suas cabeças e comida nos seus estômagos. Isso pode ser útil, entretanto, porque os beneficiários passam a ser propriedade do estado em troca da "dádiva", um exército permanente para a elite. Quem paga o flautista escolhe a música. 
Aqueles que ficam viciados na droga económica, devem de ir para a elite para uma correção. Nesse sentido, o método de introduzir grandes quantias de capacitância estabilizadora é feito emprestando-se o crédito "futuro" do mundo. Esta é uma quarta lei do movimento - o início, e consiste em realizar uma acção e abandonar o sistema antes que a reação reflexa retorne ao ponto de ação - uma reação adiada. O meio de sobreviver à reacção é mudar o sistema antes que a reacção possa retornar. Por este meio, os políticos tornam-se mais popular no seu tempo próprio e a público paga mais tarde. Na verdade, a medida de tal político é o tempo de atraso. 
A mesma coisa é alcançada por um governo ao imprimir dinheiro para além do limite do produto nacional bruto, o que vem a ser o processo económico denominado inflação. Assim, coloca uma grande quantidade de dinheiro nas mãos do público e mantém um equilíbrio contra a sua ambição, criando uma falsa auto-confiança em si, permanecendo desta forma o lobo fora de portas. 
Eles precisarão eventualmente de recorrer à guerra para equilibrar a conta, em última análise, porque a guerra é apenas o acto de destruir o credor, e os políticos são os trabalhadores públicos contratados de sucesso que justificam o acto de manter a responsabilidade e o sangue fora da consciência pública. (Veja a secção sobre os factores de consentimento e estruturação sócio-económica) 
Se as pessoas de facto se preocupassem com seus companheiros, eles passariam a controlar os seus apetites (a ganância, a procriação, etc) e assim não teriam de obter crédito ou apoio da segurança social que rouba do trabalhador para satisfazer os vagabundos. 
Como a maioria do público não exercerá moderação, há apenas duas alternativas para reduzir a indutância económica do sistema: 

  1. Deixar a populaça andar à cacetada entre si até a morte numa guerra, que só irá resultar numa destruição total da terra viva.
  2. Assumir o controle do mundo pela utilização de "armas silenciosas" económicas numa forma de "guerra silenciosa" e reduzir a indutância económica do mundo a um nível seguro por meio de um processo de escravidão e genocídio benevolentes.
A última opção tem, obviamente, sido tomada como a melhor opção. Neste ponto deve ficar bem claro para o leitor o porquê da necessidade do sigilo absoluto sobre as armas silenciosas. O público em geral recusa-se a melhorar a sua própria mentalidade e a fé no seu semelhante. Tornou-se um rebanho de bárbaros proliferos, e, por assim dizer, uma praga sobre a face da terra. 
O público, apesar da moral religiosa, não se importa o suficiente sobre ciência económica para saber porque razão não têm sido capaz de evitar a guerra, e a sua religiosos ou auto-gratificante recusa em lidar com os problemas terrenais torna a solução do problema da terra inacessível a eles. 
É deixado para aqueles poucos que estão realmente dispostos a pensar e sobreviver como os mais aptos para sobreviver, para resolver o problema por si mesmos como os poucos que realmente se importam. Caso contrário, a exposição das armas silenciosas destrói a nossa única esperança de preservar a semente da verdadeira humanidade futura. 


Circuitos Industriais Equivalentes

À indústria do Q pode ser atribuído um esquema em bloco:


Industria 'K'

Os terminais #1 até #m são conectados directamente às saídas das indústrias #1#m, respectivamente. 
O circuito equivalente da indústria Q é dado como segue:


Equivalente de 'K'

Características: 
Todas as entradas têem zero volts. 
A - Amplificador - faz a corrente de saída IQ ser representada pela tensão EQ. O amplificador fornece corrente suficiente em EQ para fornecer todas as cargas Y1Qaté YmQ e abater todas as correntes i1Q até ImQ
O amplificador de transconductância do AQ é construído desta forma:


amplificador de transconductância
* A seta indica a direcção do fluxo de capital, bens e serviços. A demanda total é dada como EQ, em que EQ = IQ.


acoplamento de redes

O acoplamento da rede YPQ simboliza a demanda que a indústria Q faz à indústria do P. Ao nó YPQ chamada-se "coeficiente técnico" da indústria Q indicando a demanda da indústria Q, chamada de indústria de utilização, para a saída de capital, bens ou serviços da indústria P chamada indústria de origem. 
O fluxo de mercadorias da indústria P para a indústria Q é dado por IPQ avaliado pela fórmula:


IPQ = YPQ * EQ.


Quando a admissão YPQ é uma condutância simples, esta fórmula tem a aparência comum da Lei de Ohm, 


IPQ = gPQ * IQ.


Segue exemplo de interligação de um sistema industrial com três componentes pode ser esquematizado. Os blocos do diagrama industrial pode realizado revelando os coeficientes técnicos e num formato muito mais simples. As equações de fluxo são dadas seguidamente:


equações de fluxo


Etapas de Simplificação Esquemática


Estados


Generalização

Tudo isto agora pode ser resumido. Seja 
  • Ij a saída da indústria j, e
  • ijk a quantidade do produto de industria j absorvida anualmente pela industria k, e
  • ijo, a quantidade do mesmo produto j disponível para "utilização" desde fora.
Assim 


equação

Substituindo o coeficientes técnicos, yjk


equação

obtém-se a equação geral de cada ingresso no circuito da indústria. 


Conta Final de Bens


equação

é chamada a Conta Final de Bens ou a Conta de Demanda Final, e é zero quando o sistema pode ser fechado pela avaliação dos coeficientes técnicos das indústrias "não produtivas", do governo e das famílias. As famílias podem ser considerados como um sector produtivo com o trabalho como produto de saída. 


Os Coeficientes Técnicos

As quantidades yJK são chamadas de coeficientes técnicos do sistema industrial. São internações e podem consistir de qualquer combinação dos três parâmetros passivos, condutância, capacitância e indutância. Os diodos são usados para fazer o fluxo unidirecional e apontados contra o fluxo. 
  • gjk: condutância económica, coeficiente de absorção
  • yjk: capacidade económica, coeficiente de capital
  • Ljk: indutância económica, a actividade humana coeficiente


Tipos de Internações



esquema de internações
esquema de internações


A Indústria Doméstica

As indústrias de financiamento (bancos), manufatura e governo, contrapartidas reais das indústrias puras de capital, bens e serviços, são facilmente definidas, pois estas são geralmente logicamente estruturadas. Devido a isso, os seus processos podem ser descritas matematicamente e seus coeficientes técnicos podem ser facilmente deduzidos. Isso, no entanto, não é o caso da indústria de serviços conhecidos como a indústria doméstica. 


Os Modelos Domésticos


trabalho, etc

Neste diagrama de fluxo pretende-se esquematizar a indústria doméstica. Representa-se por um sistema de dois blocos de casas à direita e os restantes sectores à esquerda, obtendo-se os seguintes resultados: As setas ABC, ..., da esquerda para a direita denotam fluxo de valor económico das indústrias do bloco de esquerda para a indústria do bloco à direita, denominado famílias. Estas podem ser pensadas como o fluxo mensal de consumo dos seguintes produtos: A- bebidas alcoólicas, B - carne bovina, - café, . . . , U - desconhecido, etc. 
O problema que um economista teórico enfrenta é que as preferências dos consumidores de cada agregado familiar não é facilmente previsível e os coeficientes técnicos de cada agregado familiar tendem a ser um não-lineares, muito complexos, função dos rendimentos, dos preços, etc. 
Informação computadorizada derivada do uso do código universal de produto (CUP) em conjunto com a compra com cartão de crédito como um identificador de casa individual poderia mudar este estado de coisas, mas o método CUP ainda não está disponível a nível nacional ou até mesmo numa significativa escala regional. Para compensar essa deficiência de dados, uma abordagem alternativa de análise indireta foi aprovada e é conhecida como teste de choque económico. Este método, largamente utilizado na indústria de fabricação de aviões, desenvolve um tipo agregado de dados estatísticos. 
Aplicando à economia, isto significa que todas as famílias numa região ou em toda a nação são estudados como um grupo ou classe em vez de individualmente, e os comportamentos de massa e não o comportamento individual é usado para descobrir estimativas úteis dos coeficientes técnicos que regem a estrutura económica de uma hipotética família individual, vista como uma indústria. 
Observe que no diagrama de fluxo desta indústria os valores para os fluxos de A,BC, etc, são mensuráveis em termos de preços de venda e o total de venda das mercadorias. 
Um método de avaliar os coeficientes técnicos de uma indústria do sector doméstico depende do teste de choque aos preços de uma mercadoria e observando as mudanças nas vendas de todas as mercadorias. 


Teste de Choque Económico

Nos últimos tempos, a aplicação de Pesquisa Operacional ao estudo da economia pública tem sido óbvia para qualquer pessoa que entende os princípios dos testes de choque. 
No teste de choque de numa estrutura de uma aeronave, o impulso de recuo de disparar uma arma montada nessa estrutura provoca ondas de choque na própria estrutura que informa os engenheiros da aviação quais as condições em que algumas partes do avião, o avião inteiro ou as suas asas irá começar a vibrar soar como uma corda de guitarra, como uma flauta de cana, ou como um diapasão, se desintegrará ou se precipitará. 
Os Engenheiros Económicos obtêm o mesmo resultado no estudo do comportamento da economia (e do público consumidor) ao seleccionar cuidadosamente uma mercadoria básica, como carne, café, gasolina ou açúcar, à qual causam uma mudança repentina como um choque no seu preço ou disponibilidade, dando desta forma um rombo no orçamento de todos e nos hábitos de compra. 
Observa-se as ondas de choque resultantes acompanhando as mudanças na publicidade, preços e vendas desse e de outros produtos. 
O objetivo desses estudos é adquirir o know-how para colocar a economia pública num estado previsível de movimento ou mudança, até mesmo num estado auto-destrutivo (de forma controlada) de forma a convencer o público que determinados especialistas devem tomar o controle do sistema financeiro e restabelecer a segurança para todos (em vez de liberdade e justiça). Quando os cidadãos objecto estão prostrados e incapazes de controlar seus assuntos financeiros, então, naturalmente, tornar-se-ão totalmente escravizados e uma fonte de trabalho barato. 
Não só os preços das mercadorias, mas também a disponibilidade de trabalho pode ser usado como meio de testes de choque. Greves constituem excelentes testes à economia, especialmente nas áreas de serviços essenciais de transporte rodoviário, comunicação, serviços públicos (energia, água, coleta de lixo), etc 
Através de testes de choque, verificou-se que existe uma relação directa entre a disponibilidade de dinheiro que flui numa economia e as reais perspectivas psicológicas (e capacidade de resposta) das massas que dependem desta disponibilidade. 
Por exemplo, existe uma relação mensurável entre o preço da gasolina e a probabilidade de que uma pessoa terá de sofrer uma dor de cabeça, sentir a necessidade de assistir a um filme violento, de fumar um cigarro, ou de ir a uma tasca para uma caneca de cerveja. 
O mais interessante é que, pela observação e medição dos modelos económicos pelos quais o público tenta fugir dos seus problemas e escapar à realidade, e aplicando a teoria matemática da Pesquisa Operacional, é possível programar computadores para prever a combinação mais provável de eventos criados (choques), que trará um completo controle e subjugação do público através de uma subversão da economia pública. Introdução à Teoria de Teste de Choque Económico Sejam os preços e as vendas totais de bens dados e simbolizados conforme se segue:


MercadoriasFunção de PreçoVendas Totais
bebidasA&A
carneB&B
caféC&C
gasolineG&G
açucarS&S
tabacoT&T
outro produtoU&U


Vamos supor um modelo económico simples em que o número total de mercadorias importantes (essenciais) são representados como a carne, a gasolina, e um agregado de todos os restantes produtos básicos ao qual vamos chamar a mercadoria M (por exemplo, M é um agregado de CSTU, etc.) 


Exemplo de Teste de Choque

Suponha que as vendas totais P, de produtos de petróleo pode ser descrito pela função linear das quantidades de BG e M, que são funções dos preços das respectivas mercadorias:






P = aPG B + aPG G + aPM M


Então, onde BG e M são funções dos preços da carne, da gasolina, de diversos, respectivamente, e aPBaPG e aPM são coeficientes constantes definindo o montante pelo qual cada uma das funções BG e M e afectam as vendas, P, de produtos petrolíferos. Assume-se que BG e M são variáveis independentes umas das outras. 
Se a disponibilidade ou preço da gasolina é de repente alterado, então G deve ser substituído por G+ΔG. Isto provoca uma alteração nas vendas de petróleo de PP+ΔP. Além disso, vamos supor que B e M permanecem constantes quando G é alterado para G+ΔG


(P+ΔP) = aPB B + aPG (G+ΔG) + aPM M.


Expandindo esta expressão, obtemos


P+ΔP = aPB B + aPG G + aPG ΔG + aPM M


e subtraindo o valor original de P obtemos para a mudança em P


ΔP = aPG ΔG


Dividindo por ΔG obtemos 


aPG = ΔP / ΔG .


Esta é a taxa de variação em P devido apenas a uma alteração isolada em GΔG
Em geral, ajk é a taxa parcial de mudança no efeito de vendas j devido a uma mudança na função do preço da mercadoria k. Se o intervalo de tempo for infinitesimal, esta expressão será reduzida à definição de diferencial total de uma função, P.

equação

Quando é feito o teste de choque com o preço da gasolina, todos os coeficientes com G arredondado (2G) no denominador são avaliados ao mesmo tempo. Se B,G e M forem independentes e suficientes para descrever a economia então três testes de choque serão necessários para avaliar o sistema. 
Há outros fatores que podem ser representados da mesma maneira. Por exemplo, a tendência de uma dócil sub-nação se retirar sob a pressão econômica pode ser dada por


equação


onde G é o preço da gasolina, Wp é o dinheiro gasto por unidade de tempo (com referência por exemplo a 1939) para a produção de guerra durante o "tempo de paz", etc... Estas quantidades são apresentadas a um computador em formato de matriz da seguinte forma:

equação

e


X1 = GY1 = P - KP
X2 = BY2 = F - KF
X3 = etc...Y3 = etc...


Finalmente, invertendo esta matriz, ou seja, resolvendo para os termos Xk de Yj, obtemos, por exemplo,


[bkj][Yj]=[Xk].


Este é o resultado em que podemos substituir para obter aquele conjunto de condições de preços das mercadorias, as más notícias na TV, etc, tal que irá produzir o colapso da moral pública, obtendo o necessário para assumir responsabilidades.
Uma vez que o preço econômico e os coeficientes de vendas ajk e bkj são determinados, podem ser traduzidos para o suporte técnico e coeficientes de demanda, gjkCjk e 1/Ljk.

O teste de choque de uma determinada mercadoria é então repetido para obter o taxa de tempo de variação destes coeficientes técnicos.


Introdução aos Amplificadores Económicos

Os amplificadores económicos são os componentes ativos da engenharia económica. A característica básica de qualquer amplificador (mecânica, elétrica ou económica) é que ele recebe um sinal de controle de entrada e fornece energia a partir de uma fonte de energia independente para um terminal de saída especificado num relacionamento previsível para aquele sinal de entrada de controle.

A forma mais simples de um amplificador económico é um dispositivo chamado publicidade.

Se a uma pessoa é falado por um anunciante de TV como esta tivesse doze anos de idade, então devido à sugestibilidade irá com uma determinada probabilidade responder ou reagir a essa sugestão com a resposta acrítica de um doze anos de idade, usando o seu reservatório económico emitindo a energia necessária (comprando) num momento em que passar próximo da loja.

Um amplificador económico pode ter várias entradas e saídas. A resposta pode ser instantânea ou atrasada. O seu símbolo no circuito pode ser um comutador rotativo se suas opções forem exclusivas, qualitativamente "go" ou "no-go", ou pode ter às entradas e saídas relações paramétricas especificadas por uma matriz com fontes internas de energia representadas.

Independentemente da forma que possa ter, o objectivo é governar o fluxo de energia proveniente de uma fonte para um coletor de saída em relação direta com um sinal de controle à entrada. Por esta razão, chamada-se elemento ou componente activo do circuito.

Os Amplificadores Económicos caiem em classes chamadas estratégias, que analogamente com as funções específicas dos amplificadores electrónicos, num amplificador interno económico chamam-se logísticas em vez de eléctricas.

Portanto, os amplificadores económicos não só produzem ganho de potência, mas são também usados para causar mudanças no circuito económico.

No projecto de um amplificador económico, precisamos ter alguma idéia de pelo menos cinco funções, as quais são:

  1. Os sinais de entrada disponíveis,
  2. Os objetivos desejados de controle de saída,
  3. O objectivo estratégico,
  4. As fontes de energia económica disponíveis e
  5. As opções logísticas.

O processo de definição e avaliação destes factores e a incorporação do amplificador económico num sistema económico tem sido popularmente chamado de teoria do jogos.
O projeto de um amplificador económico começa com uma especificação do nível de potência de saída, que pode variar de pessoal a nacional. A segunda condição é a precisão da resposta, ou seja, o quanto exacta a acção de saída é uma função dos comandos de entrada. Ganho elevado combinado com forte feedback ajuda a obter a precisão necessária.

A maior parte do erro estará no sinal de entrada de dados. A entrada de dados pessoais tende a ser especifico, enquanto a entrada de dados nacionais tende a ser estatística.


Lista Curta de Entradas

Questões a serem respondidas:
  • quê
  • onde
  • porquê
  • quando
  • como
  • quem
Fontes gerais de informação:

  • escutas telefónicas
  • análise do lixo
  • vigilância
  • comportamento das crianças na escola
Padrão de vida por:

  • alimento
  • abrigo
  • vestuário
  • transporte
Contactos sociais:

  • telefone - registro detalhado de chamadas
  • família - certidões de casamento, certidão de nascimento, etc
  • amigos, colegas, etc
  • pertença a organizações
  • filiação política


O Rasto Pessoal Documentado

Hábitos pessoais de compra, ou seja, preferências pessoais dos consumidores:
  • contas correntes
  • compras com cartão de crédito
Activos:
  • contas correntes
  • contas de poupança
  • bens imóveis
  • negócios
  • automóvel, etc
  • cofre de banco
  • mercado de acções
Passivo:
  • credores
  • inimigos (ver - legal)
  • empréstimos
Fontes do governo:
  • Segurança Social
  • U.S.D.A. pensões de alimentos
  • subvenções
  • subsídios
(Princípio da jogada - o cidadão quase sempre fará a recolha da informação mais fácil se ele pode operar segundo o "princípio da sanduíche de borla" de "comer agora e pagar depois")

Fontes do governo (através de intimidação):

  • censos
  • fiscalização dos correio.

Padrões de hábito - Programação
Pontos fortes e pontos fracos:

  • actividades (desportos, passatempos, etc)
  • ver "legais" (medo, raiva, etc - registro de crime)
  • registos hospitalares (sensibilidade às drogas, reacção à dor, etc)
  • registos psiquiátricos (medos, raivas, desgostos, adaptabilidade, reacções a estímulos, violência, sugestionabilidade ou hipnose, dor, prazer, amor e sexo)

Métodos de enfrentamento, adaptabilidade, comportamento:

  • consumo de álcool
  • consumo de drogas
  • diversão
  • factores que influenciam o comportamento religioso
  • outros métodos de escapar da realidade

Modos de pagamento:

  • contas telefónicas
  • factura de energia
  • factura de água
  • amortização de empréstimos
  • pagamentos da casa
  • pagamentos automóvel
  • pagamentos por cartões de crédito

Sensibilidade política:

  • crenças
  • contactos
  • posição
  • pontos fortes / pontos fracos
  • projectos / actividades

Condicionamentos legais - controlo comportamental (desculpas para a investigação, busca, detenção ou emprego da força para modificar o comportamento)

  • registos de tribunal
  • registos policiais
  • registos de condução
  • relatos feitos à polícia
  • informações sobre seguros


Lista Curta de Saídas

Saídas - criar situações controladas - a manipulação da economia, portanto, da sociedade - o controlar controlando a compensação e a renda.

Sequência:

  1. aloque oportunidades.
  2. destrua oportunidades.
  3. controle o ambiente económico.
  4. controle a disponibilidade de matérias-primas.
  5. controle de capitais.
  6. controle as taxas bancárias.
  7. controle a inflação da moeda.
  8. controle a posse de imóveis.
  9. controle a capacidade industrial.
  10. controle a manufacturação.
  11. controle a disponibilidade de bens (mercadorias).
  12. controle os preços dos bens.
  13. controle os serviços, a força de trabalho, etc
  14. controle os pagamentos a funcionários estatais.
  15. controle as funções legais.
  16. controle os arquivos de dados pessoais.
  17. controle a publicidade.
  18. controle os contactos com os média.
  19. controle os materiais disponíveis para visualização na T.V.
  20. desacople a atenção dos problemas reais.
  21. envolva emoções.
  22. crie desordem, caos e insanidade.
  23. controle o design de formulários de impostos mais detalhados.
  24. controle a vigilância.
  25. controle o armazenamento de informações.
  26. desenvolva análises psicológicas e perfis dos indivíduos.
  27. controle as funções legais (repetir ponto 15)
  28. controle factores sociológicos.
  29. controle as opções de saúde.
  30. faça a presa débil.
  31. neutralize as forças.
  32. absorva a riqueza e a substância.

Tabela de estratégias



Fazer isto:

Para obter isto:

Mantenha o público ignorante

Menos organização pública

Mantenha o acesso aos pontos de controle para obter feedback

Reação necessária para as saídas pretendidas (preços, vendas)

Crie preocupação

Defesas baixas

Ataque a unidade familiar

Controlar da educação dos jovens

Dê menos dinheiro e mais crédito

Mais auto-indulgência e mais dados

Ataque a privacidade da igreja

Destruir a fé neste tipo de governo

Conformidade Social

Simplicidade na programação do computador

Minimize o protesto aos imposto

Máximo de dados económicos, problemas de aplicação mínimos

Estabilize o consentimento

Simplicidade dos coeficientes

Aperte o controle das variáveis

Entrada de dados de computador mais simples - maior previsibilidade

Estabelecer condições de contorno

Simplicidade do problema / soluções de equações diferenciais e de diferença

Momento adequado

Menos indefinição e de mudança de dados

Maximize o controle

Resistência mínima ao controle

Colapsar a moeda

Destruir a fé no seu semelhante

Diversão, a Estratégia Primária
A experiência tem mostrado que o método mais simples de obter uma arma silenciosa e ganhar o controle do público é, por um lado, mante-lo indisciplinado e ignorante dos princípios básicos do sistema, e por outro, mante-lo confuso, desorganizado e distraído com assuntos sem real importância.

Isto é conseguido através de:

  • alienando as suas mentes; sabotar as suas atividades mentais, oferecendo um programa de baixa qualidade da educação pública em matemática, lógica, criatividade e design de sistemas de economia, e desencorajando a criatividade técnico.
  • envolvendo as suas emoções, aumentando a sua auto-indulgência e sua indulgência em atividades emocionais e físicas, através de:
    • afrontas emocionais implacáveis e ataques (estupro mental e emocional), através de uma torrente constante de sexo, violência e guerras nos média - especialmente a TV e jornais.
    • dando-lhes o que eles desejam - em excesso - "junk food para o pensamento" - e privá-los de que eles realmente necessitam.
  • reescrevendo a história e o direito e sujeitando o público a criações desviantes, sendo capaz de mudar o seu pensamento a partir de necessidades pessoais altamente fabricadas fora das suas prioridades. Desta forma exclui-se o seu interesse e consequente descoberta das tecnologias armas silenciosas de automação social.

A regra geral é que há um lucro na confusão; quanto mais confusão, tanto mais lucro. Portanto, a melhor abordagem é criar problemas e depois oferecer soluções.


Diversão: um Resumo

Media: Manter a atenção do público adulto desviando a atenção das verdadeiras questões sociais, cativada por assuntos sem importância real.

Escolas: Manter o público jovem ignorante da matemática real, a economia real, o direito real, e da história real.

Entretenimento: Manter o entretenimento do público abaixo do nível da sexta classe.

Trabalho: Manter o público ocupado, ocupado, ocupado, sem tempo para pensar, de volta à fazenda com os outros animais.


Consentimento, a Vitória Primária

Um sistema de armas silenciosas opera sobre dados obtidos a partir de um público dócil por força legal (mas nem sempre lícita). Muita informação é disponibilizada aos programadores de sistemas de armas silenciosas através do IRS.

Esta informação consiste na entrega forçada bem organizada de dados contidos nos formulários de impostos federais e estaduais, coletados, reunidos e apresentados por trabalho escravo fornecida pelos contribuintes e empregadores.

Além disso, o número de formulários apresentado ao IRS é um indicador útil de consentimento do público, um factor importante na tomada de decisões estratégicas. Outras fontes de dados são apresentados na Lista Curta de Entradas.

Coeficientes de Consentimento- feedback numérico indicando o status de vitória. Base psicológica: quando o governo é capaz de cobrar os impostos e aproveitar a propriedade privada sem justa compensação, é uma indicação de que o público está pronto para entrega e consentindo a escravização e a invasão legal. Um bom e facilmente quantificável indicador da época de colheita é o número de cidadãos públicos que pagam imposto de renda, apesar de uma evidente falta de serviço recíproco ou honesto do governo.


Fontes de Amplificação de Energia

O próximo passo no processo de concepção de um amplificador econômico é descobrir as fontes de energia. As fontes de energia que sustentam qualquer sistema económico primitivo são, naturalmente, a fonte de matérias-primas, e a aprovação do povo para trabalhar e consequentemente assumir um certo nível, posição, nível ou classe na estrutura social, ou seja, para fornecer trabalho em vários níveis na hierarquia.

Cada classe, para garantir seu próprio nível de renda, controla a classe imediatamente inferior, preservando portanto a estrutura de classes. Isso proporciona estabilidade e segurança, mas também governo a partir do topo.

Conforme o tempo passa e melhora a comunicação e a educação, os elementos das classes mais baixas na estrutura social de trabalho tornam-se conhecedores e invejam as coisas boas que os membros da classe alta têm. Também começam a atingir um conhecimento de sistemas de energia e a capacidade de fazer valer o seu lugar através da estrutura de classes.

Isto ameaça a soberania da elite.

Se este aumento das classes mais baixas poder ser adiado por tempo suficiente, a elite poderá alcançar o domínio da energia, e assim o de trabalho por consentimento não terá uma posição de uma fonte de energia essencial.

Até que o domínio da energia seja absolutamente estabelecido, o consentimento das pessoas para trabalhar e deixar outros lidarem os seus assuntos deve ser levados em consideração, uma vez que não fazê-lo poderia causar o povo interferir na transferência definitiva das fontes de energia para o controle da elite.

É essencial reconhecer que, neste momento, a aprovação pública ainda é uma chave essencial para a libertação de energia no processo de amplificação económica.

Portanto o consentimento, como um mecanismo de libertação de energia passará a ser considerado.


Logística

A aplicação bem sucedida de uma estratégia exige um estudo cuidadoso das entradas, saídas, a estratégia de conectar as entradas e as saídas, assim como das fontes de energia disponível para abastecer a estratégia. A este estudo é chamado de logística.

Um problema logístico é estudado inicialmente ao nível elementar. Só posteriormente devem ser estudados os níveis de maior complexidade como síntese dos factores elementares.

Isto significa que um determinado sistema é analisado, ou seja, dividido em seus subsistemas, e estes por sua vez, são analisados, até que, por esse processo, se chega ao "átomo" logístico, o indivíduo.

É aqui que o processo de síntese propriamente começa, no momento do nascimento do indivíduo.


O Útero Artificial

A partir do momento em que uma pessoa nasce e deixa o ventre de sua mãe, o seu esforço é todo dirigido para a construção, manutenção e retirada em úteros artificiais, entenda-se, diversos tipos de dispositivos ou conchas de protecção.

O objectivo destas úteros artificiais é fornecer um ambiente estável tanto para as actividades estáveis como para as instáveis, para fornecer um abrigo para os processos evolutivos do crescimento e da maturidade (ou seja, a própria sobrevivência), para proporcionar segurança para a liberdade e para fornecer a protecção defensiva para a actividade ofensiva.

Isto é igualmente válido tanto para o público em geral como para a elite. No entanto, há uma nítida diferença na maneira como cada uma dessas classes procedem à solução de problemas.


A Estrutura Política de uma Nação - A Dependência

A principal razão pela qual os cidadãos de um país criam uma estrutura política é um desejo subconsciente ou o desejo de perpetuar a sua relação de dependência própria da infância. Simplificando, pretendem um deus humano para eliminar todos os riscos de sua vida, acariciá-los na cabeça, dar-lhes um beijo, colocar-lhes uma galinha em cada mesa de jantar, vestir-lhes o corpo, deitá-los na cama à noite, e dizer-lhes que tudo vai ficar bem quando acordarem no outro dia de manhã.

Esta procura do público é inacreditável, assim o deus humano, o político, encontra que inacreditavelmente tem que prometer o mundo sem no entanto entregar nada. Então, quem é o maior mentiroso? O público? Ou o "padrinho"?

Esse comportamento do público é a rendição nascida do medo, preguiça e conveniência. É a base do estado de bem-estar como arma estratégica, útil contra um público nojento.


Acção / Ofensa

A maioria das pessoas querem ser capazes de subjugar e/ou matar outros seres humanos que perturbam sua vida cotidiana, mas não querem ter que lidar com as questões morais e religiosas que tal acto poderia levantar. Por conseguinte, atribuem o trabalho sujo a outros (incluindo os seus próprios filhos), de modo a manter o sangue fora das suas mãos. Eles elogiam o tratamento humanitário dos animais e, em seguida, sentam-se à mesa para um delicioso hambúrguer de um matadouro fora da sua vista. Mas ainda mais hipócrita, pagam impostos para financiar uma associação profissional de pistoleiros políticos chamados colectivamente, e depois queixam-se de corrupção no governo.


Responsabilidade

Novamente, a maioria das pessoas quer ser livre para fazer coisas (para explorar, etc), mas tem medo de falhar.

O medo do fracasso manifesta-se em irresponsabilidade e, sobretudo, em delegar as responsabilidades pessoais a outros de forma que o sucesso é incerto ou passível de consequenciais que a pessoa não está preparada para aceitar. Querem autoridade (raiz da palavra - "autor"), mas não vão aceitar responsabilidade ou obrigação. Então, contratam políticos para encarar a realidade.


Resumo

As pessoas contratam os políticos para que estas possam:

  • obter garantia, sem controlá-la.
  • obter a acção sem pensar nisso.
  • infligir roubo, lesão e morte sobre os outros sem a necessidade de contemplar a vida ou a morte.
  • evitar a responsabilidade por suas próprias intenções.
  • obter os benefícios da realidade e da ciência sem exercerem eles próprios a disciplina e aprendizagem.

Eles dão aos políticos o poder de criar e gerir uma máquina de guerra para:

  • assegurar a sobrevivência da nação/útero.
  • evitar a ocupação de qualquer coisa sobre a nação/útero.
  • destruir o inimigo que ameaça a nação/útero.
  • destruir os cidadãos do seu país que não se conformam em prol da estabilidade da nação/útero.

Assim, torna-se uma nação dividida em duas partes muito distintas, uma sub-nação dócil (a maioria silenciosa) e uma sub-nação política. A sub-nação política continua anexa à sub-nação dócil, tolera-a, e rouba o sua substância até que cresça forte o suficiente para destacar-se e, em seguida, devorar seu pai.


Análise de Sistemas

A fim de tomar decisões económicas sobre a guerra, o volante económico primário, é necessário atribuir valores logísticos concretos para cada elemento da estrutura de guerra - pessoal e material afim.

Este processo começa com uma descrição clara e sincera dos subsistemas de uma tal estrutura.






Retirado, na íntegra, daqui.